Cultura

As 23 palavras mais engraçadas da nossa língua

A língua portuguesa é rica, diversa e está presente em, praticamente, todos os continentes. Além da riqueza vocabular e da multiculturalidade que abrange, o nosso idioma também pode ser muito engraçado. A sonoridade de certas palavras provoca risos entre quem as ouve. Algumas delas soarão desconhecidas ao ouvido brasileiro, outras serão estranhas para a população portuguesa. No entanto, muitas são partilhadas entre vários países falantes de português, incluindo Portugal e Brasil.

 

Conheça o significado de cada uma das 23 palavras que selecionamos. Se, por acaso, tiver dúvidas sobre o impacto das suas fonéticas caricatas, temos uma sugestão: junte-se ao seu amigo estrangeiro, não falante português, e convide-o a reproduzi-las. Será uma pequena experiência que vai melhorar o seu dia. Para clarificar as definições, usamos a Infopédia, que aglomera vários dicionários da Porto Editora.

 

As palavras mais engraçadas da língua portuguesa

 

Abrunho:

Nome masculino. Fruto comestível do abrunheiro, sumarento, de cor variável e forma arredondada.

 

Balofo:

Adjetivo. Volumoso, mas sem consistência; gordo ou inchado; de consistência leve; fofo; mole.

 

Beiço:

Nome masculino. Cada uma das partes carnudas que contornam externamente a entrada da boca; lábio; bordo de uma ferida; rebordo; borda saliente.

 

Bugiganga:

Nome feminino. Objeto de pouco valor; coisa inútil; bagatela.

 

Chinfrim:

Nome masculino. Barulho e confusão de vozes ou outros sons; algazarra; banzé; balbúrdia.

 

Escanzelado:

Adjetivo. Muito magro.

 

Escaganifobético:

Adjetivo. Fora do comum; estranho; esquisito; pouco hábil ou ágil; desastrado.

 

Esculacho:

Forma do verbo esculachar. Descompor; humilhar; ofender.

 

Esgrouviado:

Adjetivo. Magro e alto como o grou (uma ave); com aspeto desalinhado; desgrenhado; distraído.

 

Estapafúrdio:

Adjetivo. Esquisito; excêntrico.

 

Faniquito:

Nome masculino. Pedaço muito pequeno; migalha; pequeno ganho ou lucro; desmaio; chilique.

 

Gambozinos:

Nome masculino plural. Pássaros ou peixes imaginários com que se enganam os pacóvios, mandando caçá-los.

 

Jururu:

Adjetivo de 2 géneros. Triste; melancólico.

 

Lambão:

Nome, adjetivo masculino. Lambareiro; glutão; preguiçoso; madraço.

 

Paralelepípedo:

Nome masculino. Bloco de granito usado para calcetar ruas; poliedro cuja superfície é constituída por seis faces que são paralelogramos, cada duas geometricamente iguais e contidas em planos paralelos.

 

Pororoca:

Nome feminino. Planta brasileira da família das leguminosas, também denominada jutaipeba.

 

Trambolho:

Nome masculino. Peça de madeira que se fixa na pata de alguns animais domésticos para que não se afastem para longe; peia; trangalho; molho grande; o que incomoda ou atrapalha; embaraço, empecilho; pessoa que, para outrem, constitui um encargo penoso.

 

Troglodita:

Adjetivo de 2 géneros. Pessoa que vive em cavernas ou debaixo da terra; cavernícola; pessoa rude ou grosseira.

 

Trombone:

Nome masculino. Instrumento musical de sopro, formado por dois tubos encaixados um no outro e que se alongam ou encolhem.

 

Umbigo:

Nome masculino. Cicatriz abdominal, saliente ou reentrante, no ponto em que o cordão umbilical se prendia ao indivíduo durante a sua vida fetal (anatomia); depressão existente na base da concha de alguns muluscos (zoologia).

 

Urucubaca:

Nome feminino. Azar; má sorte; feitiçaria.

 

Xaxim:

Município no Brasil, no estado de Santa Catarina (geografia). Não aparece como termo na Infopédia, da Porto Editora, mas aparece noutros sites, nomeadamente na Wikipédia: “O termo xaxim pode se referir a certas pteridófitas arborescentes, ou ainda, ao tronco destas, o qual pode ser serrado em pequenos segmentos e usado de vaso para outras plantas”.

 

Zarolho:

Adjetivo, nome masculino. Pessoa ou animal que não vê de um olho; vesgo; pessoa ou animal que tem um desvio nos olhos.

Previous post

Portugal diz adeus aos cotonetes, palhinhas e talheres de plástico

Next post

Bacalhau: a história do peixe-rei da mesa portuguesa

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *