Turismo

Tristão da Cunha: a ilha mais remota do mundo tem nome português e recomenda-se

Gosta de aventurar-se por locais pouco explorados? Temos o destino ideal para si: a ilha Tristão da Cunha. Este ponto verde insular, que decora a grande mancha oceânica do Atlântico Sul, foi descoberto pelo Almirante D. Tristão da Cunha, algures durante o ano 1500. Por volta desta época, o navegador português achou por bem batizar o pequeno arquipélago com o seu nome, fazendo com que a ilha principal do mesmo, também, fosse assim denominada.

 

Este local é considerado o mais remoto do mundo. Por lá, vivem cerca de 250 pessoas, que não falam português e que estão concentradas na capital, Edimburgo dos Sete Mares (soa a nome de filme, nós sabemos); não existem registos de restaurantes, hotéis ou de aeroportos. Até 2016, apenas era possível visitar a ilha através do barco Royal Mail Ship, que saía do porto da Cidade do Cabo (África do Sul) e demorava cerca de cinco dias a chegar ao destino.

 

Nos dias que correm, esta viagem já não tem dia de ida, nem data de regresso; deixou de ser realizada — pelo menos a bordo do navio a vapor inglês. Mas não desespere: segundo a página oficial de turismo da ilha, existem três barcos anuais que visitam Tristão da Cunha (este número pode variar de ano para ano, desta forma, é aconselhável estar atento aos dados disponíveis aqui). A viagem demora cerca de seis dias, não pode ser realizada de outra maneira e apenas podem ser transportados 12 passageiros.

 

Caso pretenda planear uma viagem até Tristão da Cunha, necessita de reservar o transporte com alguns meses de antecedência. Segundo as informações oficiais, não é necessário nenhum visto de estadia, um passaporte válido e uma permissão para desembarcar são os únicos requisitos de entrada. Todos os turistas que ficarem hospedados na ilha precisam de ter a viagem de retorno confirmada e totalmente paga, bem como seguro de saúde — para o caso de ser necessária uma evacuação médica urgente — e, claro, dinheiro suficiente para cobrir as despesas da estadia. Na ilha, os cartões de crédito não são válidos, assim como os cheques pessoais.

 

O arquipélago Tristão da Cunha, apesar de ter sido descoberto por portugueses, esteve largos anos desabitado devido, principalmente, às suas características físicas: penhascos acentuados, terreno montanhoso, águas muito profundas e com uma ondulação forte, originada pelos ventos velozes. Nos dias que correm, depois da forte presença inglesa no local, está integrado no território ultramarino britânico — assim como as ilhas de Santa Helena, Ascensão, Gonçalo Álvares e, claro, Tristão da Cunha. Os anglo-saxónicos registaram-no oficialmente como Tristan da Cunha, sendo esta a designação utilizada em todas as línguas, exceto em português — neste caso, o nome mantém a sonoridade nasalizada lusitana.

 

Ilha Tristão da Cunha vista do espaço — Imagem: Nasa 

Principais curiosidades e pontos de interesse

 

• Tristão da Cunha fica localizado no meio do Oceano Atlântico, entre a América do Sul e África do Sul;

 

A ilha principal que lhe toma o nome é habitada apenas na capital, Edimburgo dos Sete Mares, — a única área plana insular;

 

O Guiness Worl Records considerou-a “a ilha habitada mais remota do mundo”;

 

A ilha conta com uma pequena equipa médica e um hospital, mas as pessoas que precisarem de atendimento hospitalar específico necessitam de ir até à Cidade do Cabo, África do Sul;

 

• Tristão da Cunha possui somente uma escola. Os estudantes que quiserem prosseguir os estudos até ao ensino académico, necessitam de o fazer no Reino Unido (depois dos 16 anos);

 

• O ponto mais alto de Tristão da Cunha é o cume do vulcão Queen Mary’s Peak (localmente conhecido como The Peak). Este é considerado o ponto mais alto de toda a região do Atlântico Sul, possuindo uma altitude de 2062 metros; no inverno, grande parte do terreno fica coberto de neve;

 

• Em 1961, devido a uma erupção vulcânica, toda a população foi evacuada; apenas regressaram à ilha em 1963;

 

• Todos os habitantes vivem da agricultura e da pecuária, através das monoculturas; a terra é partilhada por toda a comunidade;

 

• Não é possível comprar nenhuma propriedade em Tristão da Cunha. Esta ilha é altamente controlada, devido à escassez de recursos, sendo que, em prol da manutenção da qualidade de vida dos locais, os esforços políticos e administrativos se unem;

 

• A língua oficial de Tristão da Cunha é o inglês; a moeda única é a libra esterlina;

 

• Existem apenas nove sobrenomes neste local: Collins, Glass, Green, Hagan, Lavarello, Repetto, Rogers, Squibb e Swain;

 

• A maior fonte de rendimentos externos do arquipélago de Tristão da Cunha é a venda de selos para coleção;

 

• Existem alguns relatos de problemas de saúde devido à consanguinidade — consequência do casamento quase que inevitável entre casais com grau de parentesco próximo. Este problema é recorrente, uma vez que a ilha possui apenas cerca de 80 famílias.

 

População de Edimburgo dos Sete Mares, vista do mar — Imagem: Michael Clarke 
As casas da população de Edimburgo dos Sete Mares — Imagem: Michael Clarke 

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *