AngolaBrasilCabo VerdeEconomiaGuiné-BissauMoçambiquePortugalSão Tomé e PríncipeSustentabilidadeTimor-Leste

Agricultura: Brasil e Angola são os países de língua portuguesa que mais emitem CO2

Leya

 

Entre os países de língua portuguesa, Brasil e Angola lideram ranking de emissão de dióxido de carbono (CO2) a partir da agricultura, das florestas e do uso da terra. O relatório Estado da Alimentação e da Agricultura 2016, divulgado esta semana pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) pede mudança urgente na produção e no consumo de alimentos.

 

Segundo estimativas da FAO, em 2014 o Brasil emitiu 441,905 bilhões de toneladas de gás carbônico, enquanto Angola, segundo da lista, emitiu 29,584 bilhões de toneladas. Em seguida vem Moçambique com 17,705 bilhões de toneladas. O levantamento foi lançado como parte da celebração do Dia Mundial da Alimentação, comemorado domingo (16 de outubro). No mesmo grupo de países, o Brasil também lidera na queima de resíduos de colheita, com 1,932 milhões de toneladas.

 

Clique AQUI para ler o documento completo (em inglês)

 

A FAO defende que o mundo deve optar por produzir mais com menos recursos e aproveitar os resíduos para melhorar a produção. A estimativa da agência é que para atender à demanda por alimentos em 2050, a produção mundial anual de produtos agrícolas e gado seja 60% maior. O estudo toma como base o ano de 2006.

 

Sem uma ação rápida, segundo a entidade, a mudança climática vai colocar milhões de pessoas em risco de fome e de pobreza. O estudo destaca ainda que o potencial de rendimento é limitado pela degradação generalizada da terra e da crescente falta de água.

 

A entidade destaca entre os desafios da agricultura mundial no estado de segurança alimentar, o crescimento da população e do aumento da renda em grande parte do mundo em desenvolvimento. Segundo a FAO estes dois fatores têm pressionado a demanda por alimentos e outros produtos agrícolas a níveis sem precedentes.

Previous post

Brasil: Eduardo Cunha é preso pela Polícia Federal

Next post

Morrer para viver

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *