PortugalSustentabilidade

ALER colabora com o Programa África-UE para a Cooperação nas Energias Renováveis

Leya

 

A ALER – Associação Lusófona de Energias Renováveis e o RECP – Programa África-UE para a Cooperação nas Energias Renováveis assinaram um acordo de cooperação para apoiar a promoção dos mercados das energias renováveis nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa.

 

No âmbito do acordo, ambas as partes irão cooperar para contribuir para o desenvolvimento amplo e sustentado do mercado das Energias Renováveis (ER) em África. O objetivo específico é a mobilização das empresas europeias e africanas de ER para o desenvolvimento conjunto de negócios na área das ER nos mercados africanos de língua portuguesa.

 

– Estamos muito felizes de começar a cooperar com o RECP. Este acordo concede-nos a oportunidade e os recursos para organizar ainda mais atividades de forma a alcançarmos os nossos objetivos de aprofundar o desenvolvimento destes mercados de energia renovável e colocar todos os atores em contacto. Também irá contribuir para posicionar os países lusófonos no mapa de energias renováveis, chamando a atenção da comunidade internacional e evidenciando as oportunidades existentes – destacou Isabel Cancela de Abreu, diretora executiva da ALER, em comunicado oficial.

 

Michael Franz, Coordenador do Programa do RECP acrescenta que “o RECP está orgulhoso de receber a ALER na sua lista de associações parceiras e rede de negócios. Sob o acordo, ambos os parceiros irão promover os mercados de ER nos Países Africanos de Língua Portuguesa. Além disso, a parceria visa facilitar investimentos adicionais através da criação de uma plataforma para os promotores de projetos, financiadores e prestadores de serviços dos dois continentes se conhecerem e interagirem”.

 

O acordo prevê diversas atividades a fim de reunir stakeholders africanos e europeus a operar no mercado das ER, proporcionando uma plataforma para criação de negócios e projetos nos Países Africanos de Língua Portuguesa. As atividades previstas incluem a tradução para português de documentos relevantes, a recolha e divulgação ativa de informação sobre as ER nos mercados africanos de língua portuguesa e dos serviços e instrumentos de apoio internacionais, e a organização de eventos informativos e de matchmaking.

 

O projeto tem a duração inicial de 16 meses, e estará em vigor até dezembro de 2017.

Previous post

Pesquisa brasileira mostra naturalização da violência entre crianças e adolescentes

Next post

Festival de Óbidos garante espaço no calendário dos grandes eventos da literatura

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *