BrasilDestaqueGrandes Ideias

Brasil inova com App que identifica marcas de moda com trabalho escravo

Leya

 

Onde você compra as suas roupas? Você sabe onde elas são produzidas, e quem de facto as costura?

Não é de hoje que tomamos conhecimento das incontáveis histórias de abusos em métodos trabalhistas no setor textil (e não só). Jornadas de trabalho abusivas, metas de produção inalcansáveis, normas e exigências dignas de sistemas escravagistas, etc. Para não citar o uso de trabalho infantil, e remunerações pouco dignificantes.

 

No Brasil, após numerosos escândalos nessa matéria, a ONG brasileira Repórter Brasil lançou em 2013 a App “Moda Livre“. A proposta era acompanhar de forma contínua grandes marca de moda, de forma a separar as que controlam a sua cadeia produtiva garantindo relações justas de trabalho, das marcas que possuem relações abusivas e muitas vezes com trabalho escravo. Agora a App acaba de ganhar uma atualização e agora abrange um número consideravalmente maior de marcas.

 

A ONG convidou todas as companhias a responder a um questionário-padrão que avalia quatro indicadores:

 

1. Políticas: compromissos assumidos pelas empresas para combater o trabalho escravo em sua cadeia de fornecimento.

 

2. Monitoramento: medidas adotadas pelas empresas para fiscalizar seus fornecedores de roupa.

 

3. Transparência: ações tomadas pelas empresas para comunicar a seus clientes o que vêm fazendo para monitorar fornecedores e combater o trabalho escravo.

 

4. Histórico: resumo do envolvimento das empresas em casos de trabalho escravo, segundo o governo.

 

Segundo a própria ONG as respostas geram uma pontuação e, com base nela, as empresas são classificadas em três categorias de cores: verde, amarelo e vermelho. Aquelas que não responderam ao questionário, apesar dos insistentes convites, foram automaticamente incluídas na categoria vermelha.

 

O aplicativo não recomenda que o consumidor compre ou deixe de comprar roupas de determinada marca. Apenas fornece informações para que faça a escolha de forma consciente.

 

O App está disponível na loja da Apple e no Google Play e roda nos sistemas operacionais iOs 5+ e Android 4+. Pode ser encontrado com os termos de busca “moda livre” e “moda livre repórter brasil” ou através dos links na Apple Store e no Google Play.

 

Será que essas condições de trabalho exploratórias só acontecem no Brasil? E se essa App pudesse também abranger pelo menos os demais países da lusofonia?

 

 

Previous post

Índice de percepção sobre corrupção revela dados alarmantes sobre os países da CPLP

Next post

Brasil, Panamá e EUA figuram em lista de paraísos fiscais da União Europeia

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *