Guiné-BissauSustentabilidadeTurismo

Guiné-Bissau prestes a tornar-se a nova sensação do turismo sustentável dos países de língua portuguesa

A Guiné-Bissau tem um tesouro escondido. Os Bijagós.

 

São 88 ilhas de paisagens deslumbrantes ao largo da costa da Guiné-Bissau que pouca gente conhece. O arquipélago é protegido pela UNESCO e começa agora a captar a atenção dos operadores turísticos portugueses.

 

Segundo artigo do jornal Expresso, os principais operadores turísticos de Portugal foram pela primeira vez numa viagem exploratória do potencial deste arquipélago.

 

Identificaram grandes oportunidades para explorar este novo destino sobretudo no segmento de lazer, ecoturismo, experiências e na própria vertente histórica e cultural, de olho na relação saudosa e afetiva que muitos portugueses têm com a capital do país.

 

O atual ministro do turismo, Fernando Vaz, afirmou a sua determinação na receção aos operadores:

 

“o nosso turismo ainda é incipiente, recebemos 30 mil turistas por ano, e queremos aprender com Portugal. Se Cabo Verde conseguiu tornar-se um destino reconhecido nós também vamos conseguir”.
— Fernando Vaz, Ministro do Turismo da Guiné-Bissau

 

 

O Expresso adianta que o governo da Guiné-Bissau pretende no curto prazo abolir os vistos para cidadãos portugueses com objetivo de dinamizar o setor do turismo.

 

Atualmente, existem 4 voos semanais de Lisboa para Bissau que duram menos de 4 horas.

 

Para além das praias virgens e paradisíacas, os Bijagós são um verdadeiro santuário cultural e natural com a única colónia de hipopótamos marinhos do mundo entre muitas outras espécies de fauna, flora e um vibrante artesanato.

 

Bissau, por sua vez, ao contrário das frequentes notícias associadas a instabilidade política, que lhe conferem uma imagem negativa, é uma cidade capital segura, de povo simpático e acolhedor.

 

 

Para descobrir mais sobre a Guiné-Bissau:

Canal de instagram de Miguel de Barros:

 

 

 

Previous post

Pepetela e Ondjaki vão participar no Festival Literário da Madeira

Next post

Crise pode levar 3,6 milhões de brasileiros de volta à pobreza

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *