BrasilDestaqueEconomiaGrandes IdeiasSustentabilidade

Há 5 paraísos naturais no Brasil que pode conhecer sem ter de pagar alojamento ou comida

Está familiarizado com o termo permacultura? Não, então fixe bem, que vai entrar no léxico comum dentro em breve, disso temos a certeza.

 

Denomina-se permacultura a um projeto ambiental que utilize métodos ecologicamente saudáveis, economicamente viáveis e que responda às necessidades básicas, sem pôr em causa o ambiente, de forma sustentável e autossuficiente no longo prazo.

 

A permacultura promove o melhor aproveitamento dos recursos naturais (fauna, flora e recursos hídricos) sem que estes sofrem quaisquer impactos ou perturbações negativos.

O lema do permacultor é trabalhar com a natureza e nunca contra esta.

 

No brasil há (pelo menos) cinco paraísos naturais geridos segundo os princípios da permacultura, que pode visitar e onde pode ficar sem ter que pagar, ou melhor, sem ter que gastar dinheiro com isso, nestas comunidades, paga a estadia e o que come com trabalho a favor da comunidade e do espaço que usa.

 

Interessante, não? Se a ideia já está a tomar forma na sua cabeça, mas ainda está com dúvidas, dê uma vista de olhos nos cinco sítios de que lhe falámos.

 

Alto Paraíso – Goiás

(Imagem; Reprodução Catraca Livre)
(Imagem: Reprodução Catraca Livre)

 

Chapada Diamantina – Bahia

(Imagem: Reprodução Catraca Livre)
(Imagem: Reprodução Catraca Livre)

 

Jericoacoara – Ceará

(Imagem: Reprodução Catraca Livre)
(Imagem: Reprodução Catraca Livre)

 

Paraty – Rio de Janeiro

(Imagem: Reprodução Catraca Livre)
(Imagem: Reprodução Catraca Livre)

 

João Pessoa – Paraíba

(Imagem: Reprodução Catraca Livre)
(Imagem: Reprodução Catraca Livre)

 

Convencido?

Previous post

Estão abertas as inscrições para o Programa de Pós-Graduação Ciência para o Desenvolvimento

Next post

Em Portugal come-se demasiado peixe

1 Comment

  1. Filipe Peixoto
    6 Novembro, 2015 at 20:10 — Responder

    O Brasil “É o país do futuro.” O que em tempos é agora remete-se a um era. O que se esqueceu foi a dignidade humana, se outrora se caracterizava que os valores sociais sendo praticados só assim se viveria com paz e tranquilidade, hoje vivemos na era da desigualdade humana. Então rodeados de problemas ou uma vida sem rumo, sem segurança, ou a destruição ecológica. Sem um conceito pessoal de dignidade humana fosse crescendo na sociedade, a tendência seria um cuidado melhor com o mundo e com a nossa sustentabilidade, para não termos de nos corrompermos uns aos outros. A partir daí e de forma mais profunda passando a uma nova missão mantendo uma hegemonia constante que influência todos a terem o seu conceito. Logo cada um tem o seu, mas através dessa dignidade ninguém viveria contribuindo para a crise paradigmática contemporânea, pois meu conceito não te prejudica, mas te faz acreditar em algo mais do que poderias ser, ter e passar a influenciar.

    Filipe Peixoto, português, graduado como bacharel em direito, apresentou um ensaio científico. Jan. 2015 “A necessidade de transição paradigmática.”UNIRN

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *