Cabo VerdeNotíciasSociedade

Ilha desabitada de Cabo Verde é invadida por plásticos de 25 países

A ilha cabo-verdiana de Santa Luzia, a única desabitada e reserva natural do país africano, foi invadida por plásticos e resíduos de pelo menos 25 países. O alerta foi dado pela Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA), após duas visitas oficiais ao local, no âmbito do projeto “Desertas – gestão sustentável da reserva marinha de Santa Luzia”.

 

A organização ambientalista informou, na sua página oficial, que a primeira visita realizada à ilha de Santa Luzia foi efetuada em junho (2018). A limpeza da Praia dos Achados foi o mote do projeto supracitado, coordenado também pela Biosfera, associação ambientalista de Cabo Verde, e pela Direção Nacional do Ambiente (DNA) cabo-verdiana.

 

Na mesma publicação, a SPEA divulgou que os investigadores, que participaram na campanha de limpeza, voltaram à ilha quase seis meses depois e ficaram “chocados” com a quantidade de plásticos que se tinham acumulado nesse período. Segundo esta organização, a ilha de Santa Luzia poderia assemelhar-se a um paraíso, mas o lixo e os plásticos, trazidos pelas correntes marítimas, estão a transformá-la “num pesadelo e numa lixeira” banhada pelo oceano.

 

Decidimos andar uma hora pela praia e tentar encontrar plásticos com rótulos para saber de onde vinha todo aquele lixo. Para nossa surpresa, já havia plásticos provenientes de pelo menos 25 países diferentes“, realçou a SPEA, na publicação oficial.

 

Fotografia enviada pelos ambientalistas que ajuda a identificar os rótulos dos variados plásticos, encontrados na Praia dos Achados (Cabo Verde) – Imagem: SPEA

Segundo as informações divulgadas, foram encontrados rótulos de plásticos – incluindo os que são identificados na imagem em cima – oriundos de Portugal, Colômbia, Filipinas, Uruguai, Tailândia, Gana, Reino Unido, Marrocos, Malásia, Estados Unidos da América, Uzbequistão, Japão, Grécia, Malásia, França, Países Baixos ou África do Sul.

 

A Praia dos Achados é considerada uma das mais importantes para a reprodução da tartaruga-cabeçuda (Caretta caretta). Segundo a SPEA, durante o ano passado (2017), esta espécie marinha fez mais de cinco mil ninhos neste local. Durante o passeio dos investigadores pela ilha, foram encontrados cadáveres ressequidos de duas crias de tartaruga-cabeçuda que “não puderam chegar ao mar porque o caminho estava atulhado de plásticos“, morrendo de “fome, sede e calor dentro de um garrafão de plástico onde ficaram presas logo depois de nascer”, avançou a organização ambientalista.

 

VEJA TAMBÉM

 

“Estes sacos, redes, cordas, garrafas, garrafões e um longo etecetera são uma armadilha mortal para os animais selvagens“, alertou a SPEA, acrescentando que “não chega limpar as praias; é preciso impedir que os plásticos vão ter ao mar”. Com o intuito de fomentar uma mudança viável e a longo prazo, a associação ambientalista portuguesa chamou a atenção para uma petição online. Esta medida foi lançada pela BirdLife Europe and Central Asia, com a finalidade de pressionar a União Europeia a canalizar esforços e investir na conservação dos oceanos. A petição já reuniu mais de 20 mil assinaturas, sendo que o objetivo é chegar às 25 mil.

 

A Organização das Nações Unidas já reforçou que os plásticos e os microplásticos estão a causar grandes danos ambientais e de saúde pública, por todo o globo. Consequentemente, estima-se que até 2050 exista mais plástico no mar do que peixes. Chegou o momento de virar e combater esta maré; o tempo urge.

Previous post

Ativista Rafael Marques foi finalmente recebido por João Lourenço

Next post

Unesco oferece 8 livros de história da África para download

1 Comment

  1. Almanakut Brasil
    14 Dezembro, 2018 at 14:30 — Responder

    Praia dos Achados, ilha de Santa Luzia, cheia de lixo

    Biosfera Cabo Verde – 21/07/2017

    https://www.youtube.com/watch?v=0C75Yc3Shl8

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *