AngolaBrasilCabo VerdeDestaqueGuiné-BissauGuiné-EquatorialMoçambiquePaísesPolíticaPortugalSão Tomé e PríncipeTimor-Leste

Livre-circulação é nova prioridade da CPLP

A XII Conferência de Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) trouxe uma abordagem mais concreta ao tema de mobilidade dos países que partilham a mesma língua.

 

(Imagem: Reprodução Plataforma Macau)

 

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, em entrevista afirmou que Cabo Verde,  assumiu a presidência e elegeu 3 temas: Pessoas, Cultura, Oceanos. Cabo Verde assume durante o seu mandato, a matéria de mobilidade e circulação e vai trabalhar para dar passos seguros, consolidar cada passo e passar ao seguinte até a sua concretização.

 

 

Portugal acredita que mobilidade na CPLP já será uma realidade em 2019, a ideia foi “muito bem acolhida por todos os Estados-membros” que demonstraram “uma grande vontade de que este processo seja irreversível”, disse.

(Imagem: Reprodução RTP)

“Tenho a certeza de que daqui a dois anos essa questão estará ultrapassada. Se não estiver, bom, essa será necessariamente a primeira missão do nosso secretário executivo. Mas não creio que essa questão ainda esteja na agenda daqui a dois anos, pelo contrário, já deve estar simplesmente na prática do dia-a-dia dos nossos povos” concluiu António Costa, Primeiro Ministro de Portugal. 

 

Na XII conferência de chefes de Estado e de Governo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), em Santa Maria, ilha do Sal, o Presidente angolano na sua intervenção, pediu “alguma urgência” para a concretização da mobilidade dos cidadãos lusófonos, enquanto o homónimo moçambicano reclamou a total circulação de pessoas, bens e capitais.

 

Para o Presidente angolano a CPLP não pode ser uma organização em que “só a língua e a cultura sejam fatores de aproximação, como, fundamentalmente, a circulação dos cidadãos entre os Estados-membros”.

 

 “Os nossos cidadãos devem perceber que vale a pena fazer parte da comunidade, não só pelos atos de cooperação que vamos realizando aqui e ali, mas principalmente pelas vantagens diretas e até pessoais que poderão obter do facto de estarem inseridos nesta comunidade”

 

Questionado sobre o futuro da CPLP, o ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, afirma “A ligação com as populações é o grande desafio. Temos uma grande responsabilidade política de informar de explicar e, sobretudo, de dar passos políticos. A questão da mobilidade e da circulação de bens e serviços são fundamentais. Temos de dar esse passo para as pessoas acreditarem mais no projeto CPLP.”

 

Previous post

Timor-Leste será sede dos Jogos da CPLP em 2020

Next post

Francisco Ribeiro Telles é o novo secretario executivo da CPLP e inicia funções em 2019

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *