BrasilCulturaOpiniãoPolítica

Não há nada de graça!

É preciso entender, de uma vez por todas, que nada é de graça nesse mundo. Na verdade, nada é de graça na vida. Nem mesmo o ar que você respira. Tudo tem um custo. Veja só, para respirar, seu pulmão tem que estar funcionando, e para que ele funcione todo o resto de seu organismo também tem que funcionar. E para que tudo isso funcione, seu corpo deve ser alimentado. Por fim, para se obter alimento, você pode produzi-lo ou comprá-lo. Para produzi-lo, tem que investir seu tempo e esforço (trabalho). Para comprá-lo, precisará do dinheiro. Aí está o custo do ar que você respira.

 

Os americanos costumam usar a frase “There is no free lunch”, que expressa a ideia de que é impossível conseguir alguma coisa sem ter que dar algo em troca, e você pode perceber que eles estão certos. Já no Brasil, onde a lei da vantagem parece fazer parte da constituição nacional, essa frase não faz tanto sentido. Muita gente ainda pensa que certas coisas realmente são de graça.

 

É comum ouvir pessoas dizendo que a faculdade que o filho/a entrou é de graça, que o medicamento que usa é dado pela prefeitura, que não paga nada pelo curso de violão que participa em determinado projeto social, que tal peça de teatro foi na faixa…

 

O pior dessa situação, é que quando as coisas parecem ser de graça, acreditamos que não devemos exigir por qualidade. Portanto, ficamos sugestionados a não reclamar pela baixa (ou nenhuma) qualidade de algum bem ou serviço recebidos, justamente por termos a impressão de que nada se está pagando por aquilo.

 

O problema está aí, e disso resultam sérias consequências. Entre outras, o fato de ficarmos menos exigentes nos nivela por baixo, pois se não reclamou o que recebeu, não tem conhecimento do que seria melhor. Isso é conformismo. Outra, é que nos condicionamos a apenas esperar por algo melhor que nem ao menos sabemos o que é, só imaginamos, mas sempre esperamos que alguém nos ofereça esse algo. Ficamos então, dependentes.

 

Não à toa, percebe-se que a maioria da população brasileira ainda acredita que um presidente pode resolver todos os problemas da nação. Um salvador da pátria. Conformidade e dependência não são exatamente características de uma nação forte e altiva, o contrário.

 

Os ditados populares de que “cavalo dado não se olha os dentes” e que “de graça, até ônibus errado e injeção na testa” podem ser uma grande roubada. O cavalo pode te dar muita despesa se estiver doente, o ônibus pode te levar para algum lugar indesejável ou perigoso e a injeção, dispensa comentário.

 

Talvez não tenha se dado conta, mas cidadãos conformados e dependentes é sonho de qualquer governo tirano. “Não reclame, apenas trabalhe, o resto cuidamos”. Você deve ter ouvido isso em algum momento de sua vida.

 

Quer uma viagem de graça?

Previous post

Em masculinos e femininos, Moçambique apura-se para o mundial de Vólei de Praia

Next post

Brasil reforça a aposta na mobilidade de estudantes da CPLP

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *