BrasilCulturaEspeciaisMoçambiquePortugal

Narf: o músico que uniu a Galiza ao resto do mundo

Leya

 

A Galiza e a lusofonia estão de luto. A morte do guitarrista galego Narf, aos 48 anos, marca a despedida de um construtor de pontes e de afetos.

 

Tudo em Narf era uma comprovação da sua fama de camaleônico, capaz de juntar com beleza e arte culturas e ritmos complexamente diferentes. O gênio da guitarra e alquimista das letras levava no nome artístico a marca da personalidade: Narf nada mais é que o seu próprio nome (Fran) lido ao contrário.

 

Narf representa em si mesmo a arte do encontro, da conversa musical e do respeito pelo outro e a sua cultura, pelo nosso em conexão com o mundo
— Uxía (Galiza)
Na sua trajetória artística, ziguezagueou por dezenas de estilos e gêneros, do rock psicodélico ao blues norte-americano, passando pelo jazz. Viajante incansável, não se contentou em conhecer as nuances “para turista ver” de cada país visitado: com a intensidade que lhe era característica, mergulhou profundamente no contato com as pessoas e as culturas locais. O resultado foi mostrado em três álbuns solo e inúmeras parcerias transoceânicas, no estilo único que encurtou a distância entre os países de língua portuguesa e o galego, este idioma que nos é tão familiar e misterioso.

 

Perdi um irmão, não daqueles de sangue, mas daqueles que se podem e nos podem escolher… Um irmão e um tremendo músico daqueles grandes, que não são nada fáceis de encontrar por aí, de tão raros e únicos [que] são…
— Luiz Caracol (Portugal)
Em 2015 tivemos a honra de contar com a presença do guitarrista num evento alusivo ao 25 de Abril. Aquela foi a primeira edição das Noites da Conexão, um evento que é feito da mistura que é tão característica da nossa lusofonia. Um evento que é a cara de Narf. Num sábado frio e chuvoso, a noite ganhou cor e ritmo ao som da sua guitarra. No palco, Narf celebrou a liberdade na companhia dos irmãos lusófonos Karyna Gomes (Guiné-Bissau), Selma Uamusse (Moçambique), Luiz Caracol (Portugal) e Paulo Silva (Brasil).

(Imagem: Conexão Lusófona)
(Imagem: Conexão Lusófona)

Fui muito abençoada nos bastidores e Narf sempre com aquele olhar maravilhado por estar a viver de perto o que tantas vezes o Manecas o tinha testemunhado sobre a Guiné. Foi a Cacheu e se banhou em lágrimas.
— Karyna Gomes (Guiné-Bissau)
O seu último concerto, na Womex 2016 (evento anual de música do mundo) em outubro deste ano, é um exemplo claro da relação do guitarrista com os países de língua portuguesa. Narf subiu ao palco acompanhado de Timbila Muzimba (Moçambique), uma orquestra musical de timbilas. Narf sempre soube fazer boas misturas e esta não havia de ser diferente: ao longo de dez anos de trabalho conjunto com os integrantes do Timbila Muzimba, Narf “discutiu” musicalmente a tradição e a modernidade e a preservação da identidade cultural num mundo globalizado, resultando numa amizade intercontinental marcada pelo groove e pelo rock.

 

Naquela noite, a despedida do projeto tornou-se também o adeus aos palcos.

 

– Por isso nos chegou tão fundo esta viagem musical e vital, porque para nós Narf representa em si mesmo a arte do encontro, da conversa musical e do respeito pelo outro e a sua cultura, pelo nosso em conexão com o mundo – escreveu Uxía, parceira de inúmeros projetos, na ocasião do último concerto do guitarrista, em Santiago de Compostela.

 

Narf partiu, mas o amor que tinha da Galiza até Moçambique ficará sempre marcado no meu coração.
— Selma Uamusse (Moçambique)
A lusofonia perdeu um grande artista, mas segue o legado da arte, da essência e dos valores da guitarra única e poderosa de Narf na construção dessa nossa pátria cultural.

 

Previous post

Diário dos primeiros 16 dias de prisão de Luaty Beirão será publicado em livro

Next post

Presidente José Mário Vaz demite governo em Guiné-Bissau

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *