AngolaNotíciasSustentabilidade

O lixo de Luanda pode tornar-se energia

Depois da conferência “A engenharia e a arquitetura na solução dos problemas da sociedade”, realizada em Luanda (Angola) entre os dias 24 e 26 deste mês (outubro de 2018), as conclusões apontam para a viabilidade da transformação dos resíduos sólidos dos aterros sanitários do país em energia renovável. O evento teve como principal objetivo a apresentação de trabalhos científicos desenvolvidos pelos departamentos de Arquitetura, Engenharia Civil, Eletrotécnica, Informática, Mecânica, Minas e Química da Universidade Agostinho Neto (UAN), além das investigações e trabalhos efetuados pelos mestrandos de Engenharia do Ambiente.

 

De acordo com o Jornal de Angola, a conferência salientou que o material reciclável gerado na capital angolana tem potencialidade para alimentar uma indústria de reciclagem. Assim, através do aproveitamento do biogás gerado pelos aterros sanitários, surge uma fonte de energia alternativa. Uma vez que a poluição e a sujidade das ruas, bem como a pobre e instável distribuição elétrica representam dois dos principais problemas da cidade e do país, esta parece ser uma solução adequada para atenuar ambos os flagelos.

 

Segundo o DW, muitos bairros da periferia luandense continuam às escuras e a sujidade já faz parte do quotidiano das populações (Imagem: Reprodução John Cameron)

 

Ainda segundo o Jornal de Angola, Alice Ceita e Almeida, a mais antiga docente da Faculdade de Engenharia da UAN, afirmou que a qualidade da iniciativa e dos debates serviu, também, para atestar o valor da instituição no seu papel de combate aos problemas sociais do país. A faculdade pretende, por isso, agendar um encontro para apresentar as recomendações da conferência às entidades devidas, de forma a possibilitar a implementação das mesmas num futuro próximo.

 

Através da apresentação de técnicas e experiências nas áreas da arquitetura e das engenharias, a conferência acentuou que as cidades devem ser pensadas de maneira sustentável, mediante um incentivo à utilização de materiais de construção não-convencionais. Os trabalhos científicos que marcaram presença nos painéis da conferência foram, também, ouvidos por representantes dos ministérios e de empresas, de forma a incrementar entrada dos estudantes finalistas no mercado de trabalho.

 

VEJA TAMBÉM

Previous post

Jair Bolsonaro e polêmicas com a África

Next post

UNESCO lança primeira plataforma de viagens sustentáveis pelo Património Mundial

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *