EducaçãoMundo

O que as crianças precisam de aprender para serem bem-sucedidas em 2050, por Harari

A humanidade está a enfrentar revoluções sem precedentes, todas as nossas velhas histórias estão a desmoronar e nenhuma nova história surgiu até agora para substituí-las. Como nos podemos preparar, a nós mesmos e aos nossos filhos, para um mundo de tais transformações sem precedentes e incertezas radicais? Um bebé nascido hoje terá 30 e poucos anos em 2050. Se tudo correr bem, o bebé ainda estará cá por volta de 2100 e pode até mesmo ser um cidadão ativo do século XXII. O que devemos ensinar àquele bebé que o ajudará a sobreviver e florescer no mundo de 2050 ou do século XXII? De que tipo de habilidades eles precisarão para conseguir um emprego, entender o que está a acontecer ao seu redor e navegar pelo labirinto da vida?

 

Infelizmente, como ninguém sabe como será o mundo em 2050, para não mencionar 2100, não sabemos a resposta para essas perguntas. Naturalmente, os seres humanos nunca foram capazes de prever o futuro com precisão. Mas hoje é mais difícil do que nunca, porque assim que a tecnologia nos capacite a projetar corpos, cérebros e mentes, não seremos mais capazes de ter certeza sobre coisa nenhuma – incluindo coisas que antes pareciam fixas e eternas.

 

Há mil anos, em 1018, existiam muitas coisas que as pessoas não sabiam sobre o futuro, mas estavam convencidas de que as características básicas da sociedade humana não iriam mudar. Se vivesses na China em 1018, saberias que em 1050 o Império Song poderia entrar em colapso, os Khitanos poderiam invadir do norte e as pragas poderiam matar milhões. No entanto, ficaria claro para ti que, mesmo em 1050, a maioria das pessoas ainda trabalharia como fazendeiros e tecelões, os governantes ainda confiariam nos humanos para formar os seus exércitos e burocracias, os homens ainda dominariam as mulheres, a expectativa de vida ainda seria de 40 anos e o corpo humano permaneceria exatamente o mesmo. Por essa razão, em 1018, os pais chineses pobres ensinaram os seus filhos a plantar arroz ou a tecer seda; os mais abastados ensinaram os seus filhos a ler os clássicos confucionistas, a escrever caligrafia ou a lutar a cavalo e ensinaram as meninas a ser donas de casa modestas e obedientes. Era óbvio que essas habilidades ainda seriam necessárias em 1050.

 

Para acompanhar o mundo de 2050 vais precisar de fazer mais do que simplesmente inventar novas ideias e produtos, mas acima de tudo, de te reinventares de novo e de novo.

 

Em contraste, hoje não temos ideia de como a China ou o resto do mundo parecerá em 2050. Não sabemos o que as pessoas farão para viver, não sabemos como os exércitos ou as burocracias funcionarão e não sabemos como serão as relações de género. Algumas pessoas provavelmente viverão muito mais do que hoje, e o próprio corpo humano poderá passar por uma revolução sem precedentes, graças à bioengenharia e às interfaces diretas entre o cérebro e o computador. Muito do que as crianças aprendem hoje provavelmente será irrelevante até 2050.

 

No momento atual, muitas escolas concentram-se em agregar informações nos cérebros das crianças. No passado, isso fazia sentido, porque a informação era escassa e até mesmo o lento fluxo de informações existentes era repetidamente bloqueado pela censura. Se vivesses, digamos, numa pequena cidade do México em 1800, era difícil saberes muito sobre o resto do mundo. Não havia rádio, televisão, jornal diário ou biblioteca pública. Mesmo se fosses alfabetizado e tivesses acesso a uma biblioteca particular, não haveria muito para ler além de romances e folhetos religiosos. O império espanhol censurou pesadamente todos os textos impressos localmente e permitiu que apenas um nicho de publicações examinadas fosse importado de fora. O mesmo aconteceria se morasses em alguma cidade da Rússia, Índia, Turquia ou China. Quando as escolas modernas surgiram, ensinando todas as crianças a ler, a escrever e a transmitir os fatos básicos da geografia, história e biologia, estas representaram uma melhoria imensa.

 

Em contraste, no século XXI, somos inundados com enormes quantidades de informação e os censores nem tentam bloqueá-la. Em vez disso, eles estão ocupados a espalhar desinformação ou a distrair-nos com irrelevâncias. Se moras em alguma cidade mexicana provincial e tens um smartphone, podes passar muitas vidas a ler a Wikipédia, a assistir a TED Talks e a fazer cursos online gratuitos. Nenhum governo pode esperar esconder todas as informações de que não gosta. Por outro lado, é alarmante e fácil inundar o público com relatórios conflitantes e comentários negativos. Pessoas de todo o mundo estão apenas a um clique das últimas notícias sobre o bombardeamento de Aleppo ou o derretimento de calotas polares no Ártico, mas há tantos relatos contraditórios que é difícil saber no que acreditar. Além disso, inúmeras outras coisas também estão a um clique de distância, dificultando a concentração, e quando a política ou a ciência parecem muito complicadas, é tentador mudar para alguns vídeos de gatos engraçados, mexericos de celebridades ou pornografia.

 

Em tal mundo, a última coisa que um professor precisa de dar aos seus alunos é mais informação. Eles já têm muita. Em vez disso, as pessoas precisam da capacidade de dar sentido à informação, de saber a diferença entre o que é e o que não é importante e, acima de tudo, de combinar muitas informações numa visão ampla do mundo.

 

Na verdade, este tem sido o ideal da educação liberal ocidental durante séculos mas, até agora, muitas escolas ocidentais têm sido bastante frouxas em cumpri-lo. Os professores concentraram-se em transmitir dados e a estimular os alunos a “pensar por si mesmos”. Devido ao medo do autoritarismo, as escolas liberais têm um horror particular às grandes narrativas. Elas assumiram que, contando que forneçamos aos alunos muitos dados e um pouco de liberdade, estes criarão a sua própria imagem do mundo e, mesmo que essa geração não sintetize todos os dados numa história coerente e significativa sobre o mundo, haverá tempo de sobra para construir uma síntese melhor no futuro.

 

Nós agora estamos sem tempo. As decisões que tomaremos nas próximas décadas moldarão o futuro da própria vida e poderemos tomá-las apenas com base na nossa visão de mundo atual. Se esta geração não tem uma visão abrangente do cosmos, o futuro da vida será decidido ao acaso.

 

A pressão está alta

 

Além da informação, a maioria das escolas também se concentra demais em fornecer aos alunos um conjunto de habilidades predeterminadas, como resolver equações diferenciais, escrever código de computador em C ++ (uma linguagem de programação), identificar substâncias químicas num tubo de ensaio ou conversar em chinês. No entanto, como não temos ideia de como será o mundo e o mercado de trabalho em 2050, não sabemos exatamente quais as habilidades específicas que as pessoas precisarão. Podemos investir muito esforço a ensinar crianças a escrever em C ++ ou a falar chinês, apenas para descobrir que, em 2050, a Inteligência Artificial (I.A) poderá codificar software muito melhor do que os seres humanos e um novo aplicativo Google Translate permitirá que se realize uma conversa quase impecável em mandarim, cantonês ou Hakka, mesmo que tu só saibas saiba dizer “Ni hao”.

 

Então, o que devemos ensinar? Muitos especialistas pedagógicos argumentam que as escolas deveriam mudar para o ensino dos “quatro C” – pensamento crítico, comunicação, colaboração e criatividade. Mais amplamente, eles acreditam que as escolas devem minimizar as habilidades técnicas e enfatizar as habilidades da vida em geral. A mais importante de todas será a capacidade de lidar com a mudança, aprender coisas novas e preservar o seu equilíbrio mental em situações desconhecidas. Para acompanhar o mundo de 2050, vais precisar de fazer mais do que simplesmente inventar novas ideias e produtos, mas acima de tudo, de te reinventares constantemente.

 

Se alguém te descreve o mundo de meados do século XXI e não parece ficção científica, é certamente falso. Pois, à medida que o ritmo da mudança aumenta, é provável que, não apenas a economia, mas o próprio significado de “ser humano” mude. Já em 1848, o Manifesto Comunista declarou que “tudo o que é sólido se desmancha no ar”. Marx e Engels, no entanto, pensavam principalmente em estruturas sociais e económicas. Em 2048, as estruturas físicas e cognitivas também se fundirão no ar ou numa nuvem de bits de dados.

 

Em 1848, milhões de pessoas estavam a perder os seus empregos nas fazendas das aldeias e partiram para as grandes cidades para trabalhar nas fábricas. Mas ao chegar à cidade grande, era improvável que mudassem o seu género ou adicionassem um sexto sentido. E se encontrassem emprego em alguma fábrica têxtil, poderiam esperar permanecer nessa profissão pelo resto das suas vidas profissionais.

 

Até 2048, as pessoas podem ter que lidar com migrações para o ciberespaço, identidades de género fluídas e novas experiências sensoriais geradas por implantes de computador. Se elas encontrarem tanto trabalho quanto significado na criação de modas atualizadas para um jogo de realidade virtual em 3D, dentro de uma década, não apenas esta profissão em particular mas todos os trabalhos que demandam esse nível de criação artística, podem ser assumidos por I.A. Assim, aos 25 anos, podes apresentar-te num site de encontros como “uma mulher heterossexual de 25 anos que mora em Londres e trabalha numa loja de moda”. Aos 35 anos, podes dizer que és “uma pessoa não específica de género, em fase de adaptação, cuja atividade neocortical ocorre principalmente no mundo virtual da NewCosmos e cuja missão de vida é ir onde nenhuma outra designer de moda foi”. Aos 45 anos, tanto o namoro quanto as autodefinições são ultrapassadas. Apenas esperas que um algoritmo encontre (ou crie) o par perfeito para ti. Quanto a extrair significado da arte do design de moda, tornas-te tão irrevogavelmente superada pelos algoritmos que, ao olhares para as tuas maiores realizações da década anterior, enches-te de embaraço em vez de orgulho. E ainda tens muitas décadas de mudanças radicais à tua frente.

 

Por favor, não leves este cenário de forma literal. Ninguém pode prever as mudanças específicas que vamos testemunhar no futuro. Qualquer cenário em particular estará provavelmente longe da verdade. Se alguém te descrever o mundo de meados do século XXI e parecer ficção científica, provavelmente é falso. Mas, novamente, se alguém te descrever o mundo de meados do século XXI e não parecer ficção científica, é certamente falso. Não podemos ter certeza sobre os detalhes; a mudança em si é a única certeza.

 

Harari, o famoso historiador e autor dos bestsellers “Sapiens – Uma breve história da Humanidade” e “Homo Deus – Uma breve história do Amanhã”, produziu uma minuciosa reflexão, publicada na plataforma Medium e incluída no seu mais recente livro, “21 lições para o século XXI”, com o intuito de explorar os grandes desafios que as crianças de hoje terão no futuro (Imagem: Reprodução Facebook Oficial de Yuval Noah Harari)

Esta mudança profunda pode muito bem transformar a estrutura básica da vida, tornando a descontinuidade a sua característica mais saliente. Desde tempos imemoriais, a vida era dividida em duas partes complementares: um período de aprendizagem seguido por um período de trabalho. Na primeira parte da vida, tu acumulavas informações, desenvolvias habilidades, construías uma visão de mundo e uma identidade estável. Mesmo que aos 15 anos passasses a maior parte do dia a trabalhar no campo de arroz da tua família (em vez de uma escola formal), o mais importante era aprender: como cultivar arroz, como conduzir negociações com os comerciantes de arroz gananciosos da cidade grande e como resolver os conflitos por terra e água com os outros moradores. Na segunda parte da vida, baseavas-te nas tuas habilidades acumuladas para navegar pelo mundo, ganhar a vida e contribuir para a sociedade. É claro que, mesmo aos 50 anos, tu continuavas a aprender coisas novas sobre arroz, mercadores e conflitos, mas esses eram apenas pequenos ajustes nas tuas habilidades bem afiadas.

 

Em meados do século XXI, a aceleração da mudança e o aumento do tempo de vida tornarão este modelo tradicional obsoleto. A vida desmoronará e haverá cada vez menos continuidade entre diferentes períodos da vida. “Quem sou eu?” será uma questão mais urgente e complicada do que nunca.

 

É provável que isso envolva níveis imensos de stress. A mudança é quase sempre stressante e, depois de uma certa idade, a maioria das pessoas simplesmente não gosta de fazer isso. Quando tens 15 anos, toda a tua vida é mudança. O teu corpo está a crescer, a tua mente está a desenvolver-se, os  teus relacionamentos estão a aprofundar-se. Tudo está em fluxo e tudo é novo. Estás ocupado a  inventar-te a ti mesmo. A maioria dos adolescentes acha isso assustador, mas, ao mesmo tempo, também é emocionante. Novas visões estão a abrir-se diante de ti e tu tens um mundo inteiro para conquistar.

 

Quando chegas aos 50 anos não queres mudar e a maioria das pessoas desiste de conquistar o mundo. Estiveste lá, já fizeste e já ganhaste a t-shirt. Preferes a estabilidade. Investiste tanto nas tuas habilidades, na tua carreira, na tua identidade e na tua visão de mundo que não queres começar tudo de novo. Quanto mais trabalhaste na construção de algo, mais difícil se torna deixar isso de lado e abrir espaço para algo novo. Talvez ainda valorizes novas experiências e pequenos ajustes, mas a maioria das pessoas na faixa dos 50 anos não está pronta para reformular as estruturas profundas da sua identidade e personalidade.

 

Existem razões neurológicas para isso. Embora o cérebro adulto seja mais flexível e volátil do que se pensava, continua a ser menos maleável que o cérebro adolescente. Reconectar neurónios e religar sinapses é um trabalho árduo. Mas no século XXI, não podes dar-te ao luxo da estabilidade. Se tentares manter alguma identidade estável, trabalho ou visão de mundo, corres o risco de ficar para trás enquanto o mundo te varre. Dado que a expectativa de vida provavelmente aumentará, podes ter que passar muitas décadas como um fóssil ignorante. Para permanecer relevante – não apenas economicamente mas, acima de tudo, socialmente – precisarás da capacidade de aprender constantemente a reinventares-te, certamente numa idade jovem como os 50 anos.

 

O melhor conselho que posso dar a um adolescente de 15 anos é: não confie demais nos adultos. A maioria deles tem boas intenções, mas simplesmente não entende o mundo.

 

À medida que a estranheza se torna o novo normal, as suas experiências passadas, assim como as experiências passadas de toda a humanidade, vão tornar-se guias menos confiáveis. Os seres humanos como indivíduos e a humanidade como um todo terão que lidar cada vez mais com coisas que ninguém encontrou antes, como máquinas superinteligentes, corpos engenheirados, algoritmos capazes de manipular emoções com precisão inigualável, rápidos cataclismos climáticos provocados pelo homem e a necessidade de mudar de profissão a cada década. Qual é a coisa certa a fazer quando nos confrontamos com uma situação completamente sem precedentes? Como deves agir quando és inundado por enormes quantidades de informação e não há absolutamente nenhuma maneira de absorver e analisar tudo isso? Como deves viver num mundo onde a incerteza profunda não é um bug, mas um recurso?

 

Para sobreviver e prosperar nesse mundo, precisarás de muita flexibilidade mental e grandes reservas de equilíbrio emocional. Terás que desistir repetidamente do que de melhor sabes fazer e aprender a sentires-te em casa com o desconhecido. Infelizmente, ensinar as crianças a abraçar o desconhecido, mantendo o seu equilíbrio mental, é muito mais difícil do que ensinar-lhes uma equação em Física ou as causas da Primeira Guerra Mundial. Tu não consegues aprender a resiliência através da leitura de um livro ou de uma palestra. Os próprios professores, geralmente, não têm a flexibilidade mental exigida pelo século XXI, uma vez que eles próprios são o produto do antigo sistema educacional.

 

A Revolução Industrial legou-nos a teoria da linha de produção da educação. No meio da cidade, há um grande edifício de cimento dividido em muitas salas idênticas, cada uma delas equipada com filas de mesas e cadeiras. Ao som de um sino, vais a uma dessas salas juntamente com outras 30 crianças que nasceram no mesmo ano que tu. A cada hora, um adulto diferente entra e começa a falar. Os adultos são todos pagos pelo governo para fazer isso. Um deles fala sobre a forma da terra, outro fala sobre o passado humano e um terceiro fala sobre o corpo humano. É fácil rir desse modelo e quase todo o mundo concorda que, independentemente das suas realizações passadas, está falido. Mas até agora não criamos uma alternativa viável, que possa ser implementada no México rural e não apenas nos subúrbios ricos da Califórnia.

 

Hackear humanos

Portanto, o melhor conselho que posso dar a alguém com 15 anos que está preso numa escola desatualizada  em algum lugar no México, na Índia ou no Alabama é: não confie demais nos adultos. A maioria tem boas intenções, mas simplesmente não entende o mundo. No passado, era uma aposta relativamente segura seguir os adultos, porque eles conheciam bem o mundo e este mudava lentamente. Mas o século XXI vai ser diferente. Por causa do crescente ritmo de mudança, nunca podes ter a certeza se o que os adultos estão a dizer é sabedoria eterna ou preconceito desatualizado.

 

Então, no que podes confiar em vez disso? Talvez na tecnologia? Essa é uma aposta ainda mais arriscada. A tecnologia pode ajudar-te muito, mas se ganhar muito poder sobre a tua vida, podes tornar-te refém da sua agenda. Há milhares de anos os humanos inventaram a agricultura, mas essa tecnologia enriqueceu apenas uma minúscula elite enquanto escravizava a maioria dos humanos. A maioria das pessoas encontrava-se a trabalhar desde o nascer até ao pôr do sol, arrancando ervas daninhas, carregando baldes de água e colhendo milho sob um sol escaldante. Isso pode vir a acontecer contigo também.

 

A tecnologia não é má. Se souberes o que queres da vida, a tecnologia pode ajudar-te a consegui-lo. Mas se não souberes, ela poderá muito facilmente moldar os teus objetivos e assumir o controlo da tua vida. À medida que a tecnologia melhora a compreensão dos humanos, poderás estar cada vez mais a servi-la do que a ser servido por ela. Já viste aqueles zombies que andam pelas ruas com os seus rostos colados nos seus smartphones? Acha que eles controlam a tecnologia ou a tecnologia é que os controla?

 

Deves confiar em ti mesmo, então? Isso soa muito bem na “Rua Sésamo” ou num filme antiquado da Disney, mas na vida real não funciona tão bem. Até a Disney está a perceber isso. Assim como Riley Andersen, a maioria das pessoas mal se conhece, e quando elas tentam “ouvir-se a si mesmas” facilmente se tornam vítimas de manipulações externas. A voz que ouvimos nas nossas cabeças nunca é confiável, porque reflete sempre a propaganda do Estado, a lavagem cerebral ideológica e as propagandas comerciais, para não mencionar os bugs bioquímicos.

 

À medida que a aprendizagem da biotecnologia e da máquina melhora, fica mais fácil manipular as emoções e os desejos mais profundos das pessoas e vai tornar-se mais perigoso do que nunca seguires o teu coração. Quando a Coca-Cola, a Amazon, a Baidu ou o governo souberem puxar as cordas do teu coração e pressionar os botões do teu cérebro, ainda serás capaz de apontar a diferença entre ti mesmo e os seus especialistas de marketing?

 

Se não sabes o que queres na vida, será muito fácil para a tecnologia moldar os teus objetivos e assumir o controlo de tua vida.

 

Para ter sucesso numa tarefa tão difícil, precisarás de trabalhar arduamente no conhecimento do teu sistema operacional – para saberes o que és e o que queres da vida. Este é, naturalmente, o conselho mais antigo da história: conhece-te a ti mesmo. Durante milhares de anos, filósofos e profetas exortaram as pessoas a conhecerem-se. Mas este conselho nunca foi mais urgente do que no século XXI porque, ao contrário dos tempos de Laozi ou Sócrates, agora tens uma concorrência séria. A Coca-Cola, a Amazon, o Baidu e o governo estão a ver quem chega primeira para te hackear. Não é o teu smartphone, não é o teu computador e não é a tua conta bancária. Eles estão numa corrida para te hackear a ti e ao teu sistema operacional orgânico. Podes ter ouvido dizer que estamos a viver na era de invadir computadores, mas isso não é nem a metade da verdade. De facto, estamos a viver na era de hackear humanos.

 

Os algoritmos estão a observar-te agora. Eles estão a ver onde vais, o que compras e quem conheces. Em breve irão monitorizar todos os teus passos, todas as tuas respirações e todos os teus batimentos cardíacos. Estão a confiar no Big Data e na aprendizagem da máquina para te conhecer cada vez mais. E uma vez que esses algoritmos te conhecem melhor do que tu próprio, podem controlar-te e manipular-te sem que possas fazer muito a respeito disso. Vais viver no “Matriz” ou no “The Truman Show”. No final, é uma questão empírica simples: se os algoritmos realmente entenderem o que está a acontecer dentro de ti melhor do que tu mesmo entendes, a autoridade passará para eles.

 

Poderás, claro, estar perfeitamente feliz em ceder toda a autoridade aos algoritmos e confiar neles para decidir as coisas por ti e para o resto do mundo. Se sim, relaxa e aproveita o passeio. Não precisas de fazer nada acerca isso. Os algoritmos cuidarão de tudo. Se, no entanto, quiseres manter algum controlo sobre a tua existência pessoal e o futuro da vida, terás que correr mais rápido que os algoritmos, mais rápido que a Amazon e o governo, e conhecer-te a ti mesmo antes deles. Para correres rápido, não leves muita bagagem. Deixa todas as suas ilusões para trás. Elas são muito pesadas.

 

Tradução livre do excerto da obra “21 lições para o século XXI“, escrito por Yuval Noah Harari e publicado na plataforma Medium.

Previous post

Será a Índia o próximo grande investidor estrangeiro em Moçambique?

Next post

ONU comprova que a participação das mulheres aumenta a durabilidade de acordos de paz

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *