BrasilCulturaPaísesSaúde

Riqueza inestimável: indígenas brasileiros criam sua 1ª enciclopédia medicinal

(Imagem: Reprodução Acaté)

Muitas tribos indígenas estão em processo de extinção e, consequentemente, muitas das tradições destes povos transmitidas de geração em geração estão a perder-se.

A saúde dos povos amazônicos sempre dependeu da sabedoria dos mais velhos. Transmitida ao longo dos séculos, o conhecimento de plantas e técnicas de tratamento medicinais que foram acumulados são um produto de seus laços espirituais e físicos profundas com o mundo natural.

O povo Matsés, uma tribo da Amazônia brasileira e peruana, criou a Enciclopédia de Medicina Tradicional , um volume de 500 páginas onde cinco xamãs (sacerdotes tradicionais do xamanismo com a capacidade de curar) transmitem o seu conhecimento medicinal. Os Matsés vivem em um dos ecossistemas de maior biodiversidade do mundo e dominam o conhecimento de suas propriedades curativas.

foto2acate
(Imagem: Reprodução Acaté)

A enciclopédia foi elaborada em parceria com o grupo de conservação Acaté e poderá vir a servir de modelo para as outras culturas indígenas protegerem e não perderem os seus conhecimentos ancestrais.

foto3acate
(Imagem: Reprodução Acaté)

Escrita exclusivamente na língua dos Matsés, é uma verdadeira enciclopédia xamânica, totalmente escrita e editada por xamãs indígenas. O texto “marca a primeira vez que xamãs de uma tribo da Amazônia criaram uma transcrição total e completa de seu conhecimento medicinal, escrito em sua própria língua e com suas palavras” disse Christopher Herndon, presidente e co-fundador da Acaté, em uma entrevista para o Mongabay.

É difícil exagerar o quão rapidamente esse conhecimento pode ser perdido após uma tribo fazer contato com o mundo exterior. Uma vez extinto, esse conhecimento, juntamente com a auto-suficiência da tribo, nunca pode ser totalmente recuperado“, explica um artigo publicado no portal da organização Acaté.

Jovens xamãs e a nova enciclopédia (Imagem: infoamazonia)
(Imagem: Reprodução Acaté)

Cada capítulo da Enciclopédia de Medicina Tradicional foi escrito por um xamã mais velho de renome escolhido pela comunidade. Cada pessoa idosa trabalhou em conjunto com um Matsés mais jovem, que transcreveu o conhecimento e fotografou cada planta. Os capítulos são classificados pelo nome da doença e incluem a explicação do seu processo de identificação, a sua causa, o nome das plantas a utilizar e a receita para a preparação do medicamento, entre outras opções terapêuticas.

foto4acate
(Imagem: Reprodução Alicia Fox, Acaté)

Mas com a catalogação dos conhecimentos dos xamãs quase na sua íntegra, surge um outro problema: como evitar que o material seja alvo de biopirataria?

A enciclopédia será impressa para o Matsés, sob a sua direção, e o conteúdo não será publicado ou divulgado fora de suas comunidades. Além disso, nomes científicos e características facilmente identificáveis foram deixados de fora, para dificultar o acesso de forasteiros aos conhecimentos tradicionais, evitando que o material seja copiado e utilizado para fins comerciais, servindo apenas de manual para formação de jovens xamãs.

foto5acate
(Imagem: Reprodução Alicia Fox, Acaté)

Leia mais:

>>> Universidade brasileira forma sua primeira turma composta só por índios

>>> Pesquisador é primeiro índio brasileiro a receber título de doutor em linguística pela Universidade de Brasília

>>> Projeto documenta línguas indígenas em vias de extinção no Brasil

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.