BrasilPaísesSociedade

“Como silenciamos o estupro” é o tema da revista Superinteressante que tem gerado grande polémica

(Imagem: Reprodução agravo)

Na edição deste mês, a revista Superinteressante brasileira trouxe à capa um assunto polémico: o estupro.

CAPA
(Imagem: Facebook da revista Superinteressante)

O estupro é aquilo a que se chama violação em Portugal, é um crime cometido por quem constranger outra pessoa a sofrer ou praticar relações sexuais, por meio de violência ou ameaças.

Segundo a Organização Mundial da saúde, no Brasil, uma em cada cinco mulheres foi ou será estuprada. Até 2002 vigorou uma lei que possibilitava o violador de se casar com a vítima para não ser condenado à prisão, se a família autorizasse.

“Estupro: O mais acobertado dos crimes” é o título principal da capa da revista brasileira, e pretende chamar a atenção de como esta violência é encarada pelas próprias famílias e por instituições como escolas, igrejas e universidade.

Esta chamada de atenção deve-se ao facto de muitas famílias quererem omitir o crime por vergonha e consequentemente, não apresentarem queixa.

Nas redes sociais, a página do facebook da revista publicou uma história verídica e polémica que mostra o caso de uma atitude cruel por parte da família da vítima que silenciou o estupro para a “estuprada” recuperar a sua “honra”. Esta situação é por muitos considerada normal. A revista iniciou até um movimento nas redes sociais em que é utilizada a hastag #ChegadeSilêncio! para demonstrar revolta para com este tipo de atitudes.

Muitas vezes a sociedade considera as vítimas culpadas, ou por “utilizarem batom vermelho”, ou por vestirem saias “demasiado curtas” ou até por beberem bebidas alcoólicas. A revista mostra algumas ilustrações que pretendem chamar a atenção e mostrar que quem tem esses tipos de pensamentos, na realidade está a culpar vítimas e a desculpar criminosos.

(Imagem: Facebook da revista Superinteressante)
(Imagem: Facebook da revista Superinteressante)

(Imagem: Facebook da revista Superinteressante)
(Imagem: Facebook da revista Superinteressante)
(Imagem: Facebook da revista Superinteressante)
(Imagem: Facebook da revista Superinteressante)

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.