EconomiaPortugalSustentabilidade

Em Portugal come-se demasiado peixe

Se ficou alarmado com o alerta a Organização Mundial de Saúde sobre a carne processada ser, com grande probabilidade, um potenciador de processos de formação cancerígena, então é melhor sentar-se que não trazemos boas notícias.

 

A Global Footprint Network (GFN), uma organização responsável pelos cálculos da pegada ecológica, alerta que, no geral, o consumo de peixe está muito acima do que é sustentável para o planeta, e em Portugal é particularmente grave.

 

Portugal está entre os países com maior consumo de peixe per capita do mundo, o que pode ser bom para a saúde, mas é mau para o equilíbrio do ecossistema, que não consegue renovar gerações piscívoras e arriscamo-nos a extinguir as espécies mais consumidas, nomeadamente, o bacalhau, mesmo com as quotas piscatórias em mínimos históricos.

 

Tudo isto foi revelado num estudo feito pela associação que apenas coloca acima de nós a Itália, a França e a Grécia.

 

Alessando Galli, diretor da GFN para a região do mediterrâneo recomenda “comer peixe, mas diversificar, preferir peixes em posição mais baixa na cadeia alimentar, como as sardinhas”, mas a verdade é que nunca houve tão pouca sardinha como nos dias de hoje, pelo que se prevê até um reforço nas limitações à sua pesca, bem como nas respetivas quotas.

 

De todos os países analisados, Portugal foi o que obteve pior classificação no rácio entre recursos produzidos (1,3 hectares per capita) e recursos consumidos 4,5 hectares per capita).

 

Se está rendido às evidências e pensa regressar à boa e velhinha dieta mediterrânica, mais saudável e baseada em vegetais, legumes e frutas então… não o aconselhamos a clicar AQUI, a bem da sua saúde… mental!

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.