BrasilCulturaMoçambiquePortugal

Filme moçambicano “Comboio de Sal e Açúcar” em destaque no Festival de Cinema de Locarno

Leya

 

O filme moçambicano “Comboio de Sal e Açúcar” recebeu destaque no Festival de Cinema de Locarno, na Suíça. A produção foi exibida numa tela de 300 m² da Piazza Grande, honra reservada apenas a grandes produções.

 

“Comboio de Sal e Açúcar” é a história de um comboio e dos seus passageiros, que embarcam numa viagem perigosa durante a guerra civil moçambicana.

 

Licínio Azevedo realizador brasileiro que vive há 40 anos em Maputo, em entrevista ao site do Festival del film Locarno, explicou que a ideia de fazer o filme surgiu das muitas entrevistas feitas por ele no final da guerra em Moçambique. Azevedo sentiu que o material que tinha em mãos era bom e decidiu escrever sobre isso. Em “Comboio de Sal e Açúcar” as personagens são ficcionais mas inspiradas em pessoas reais e o enredo é baseado no seu livro, cuja história apresenta uma mistura entre realismo e uma atmosfera mágica.

 

– Descobri que, no norte do país, havia um comboio que as mulheres usavam para viajar 700 km até ao Malawi, atravessando a guerra. Elas compravam sal no litoral para trocar por açúcar no Malawi. Depois, voltavam a Moçambique e vendiam o açúcar. Com isso, sustentavam a família. Era uma viagem infernal – sublinha Licínio Azevedo em entrevista à DW África, o que suscitou mais interesse para a realização desta longa-metragem.

 

A ideia inicial do realizador Licínio Azevedo era realizar um documentário, mas mais tarde optou por um romance, cuja realização contou com o apoio de produtores franceses, sul-africanos e brasileiros e também o dinheiro obtido em prémios há dois anos, no âmbito do programa “Open Doors” do Festival de Cinema de Locarno.

 

Segundo o realizador, o maior desafio foi iniciar as filmagens e gerir uma locomotiva e as carruagens em linhas férreas onde transitavam outros comboios comerciais e de passageiros, onde a logística e organização foram as maiores dificuldades, tratando-se de um filme de guerra num país onde a guerra civil estava a recomeçar.

 

O realizador declarou também que conseguir a autorização do governo moçambicano para filmar não foi uma tarefa fácil: após a equipa já estar no terreno é que foi dada a “ordem” para avançar. Neste sentido, houve um apoio importante por parte do Ministério da Defesa, que dispôs de um grupo de trinta a quarenta militares para treinar os atores, pois num país em guerra, basta um tiro ser ouvido nem que seja no mato para que o povo fuja para o outro lado da fronteira.

 

Para Licínio Azevedo, o filme “Comboio de Sal e Açúcar” é “um filme moderno, uma história que poderia ser adaptada a outras realidades e que interessa a públicos de todo o mundo, é um western, um filme de guerra – uma história que se poderia ter passado na América Latina, no México, na Índia, na China, seja onde for”.

 

 

O Festival de Cinema de Locarno conta com a participação de diversas produções que envolveram países de língua portuguesa. Na programação do festival estão “Correspondências” (Portugal), “Jeunesse” (França e Portugal), “O Ornitólogo” (Portugal, Fança e Brasil), “El Auge del Humano” (Argentina e Brasil), “An Aviation Field” (Estados Unidos, Portugal, Brasil), “Estilhaços” (Portugal), “Setembro” (Portugal e Bulgária), “À Noite Fazem-se Amigos” (Portugal), “Beduino” (Brasil), “O Cinema, Manoel de Oliveira e Eu” (Portugal), “A Brief History of Princess X” (Portugal, França e Reino Unido), “Longe” (Portugal), “The Hunchback” (Portugal e França), “Por si acaso” (Espanha, Colômbia e Brasil), “A Destruição de Bernadet” (Brasil), “Compêndio da Vida de um Homem Gasto e o Seu Último Desejo Perante Ela” (Brasil) e “Rio Corgo” (Suíça e Portugal).

 

Clique AQUI para ver a programação completa

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.