Cabo VerdeNotíciasPolíticaSociedade

Cabo Verde é o terceiro país com a melhor governação em África

Quando comparado com o ano passado (2017), Cabo Verde subiu uma posição no ranking das melhores governações em África. Segundo o último relatório anual da Fundação Mo Ibrahim – instituição responsável pela análise da importância crítica da governação e liderança em África -, o país africano conta com 71,1 pontos em 100, ocupando novamente o terceiro lugar. Na frente, estão as ilhas Maurícias (com 79,5 pontos) e Seicheles (com 73,2 pontos).

 

Apesar da ligeira subida, a degradação na pontuação final de Cabo Verde tem vindo a acentuar-se desde 2016, ano em que o arquipélago conseguiu amealhar 72 pontos. Em 2017, a pontuação desceu para os 71,9 e, este ano (2018), apesar de ter recuperado a posição, o país situa-se nos 71,1 pontos. Além disso, segundo a Fundação Mo Ibrahim, existem três países que, apesar de ocuparem as primeiras cinco posições, apresentam um declínio de pontuação. Ao longo dos anos, as Maurícias (menos 0,7 pontos), Cabo Verde (menos 0,8 pontos) e o Botswana (menos 3,7 pontos) foram perdendo força percentual.

 

O Índice Ibrahim de Governação Africano (IIAG) mede, anualmente, a qualidade da governação em 54 países africanos, através da compilação de dados estatísticos do período homólogo. Em 2018, a informação foi recolhida junto de 35 fontes oficiais e avaliada em 102 indicadores: 27 para a categoria de Segurança e Estado de Direito, 19 para a Participação e Direitos Humanos, 30 para a categoria de Desenvolvimento Económico Sustentável e 26 para Desenvolvimento Humano.

 

Tendo em conta a avaliação dos fatores supracitados, Cabo Verde, de acordo com o relatório, conta com as piores classificações nos setores de Segurança e Estado de Direito, de Participação e Direitos Humanos, Desenvolvimento Económico Sustentável e Desenvolvimento Humano. Quanto às subcategorias de Ambiente de Negócios e de Infraestrutura e Educação, estas registam uma redução percentual mais acentuada.

 

VEJA TAMBÉM

 

“Preocupante” é o adjetivo utilizado pelo relatório, quando é mencionada a tabela geral sobre Transparência e Responsabilidade de países como: Cabo Verde, Botswana, Namíbia e África do Sul. Apesar de estarem inseridos no top10, são as nações que foram piorando nas metas pontuais, durante a última década.

 

É fundamental realçar que, segundo o levantamento realizado, o progresso da governação em África tem vindo a perder terreno e empatia, em relação às necessidades e às expectativas da população. Para contornar este dado, a Fundação Ibrahim sugeriu que os países africanos necessitam de definir uma estratégia – um plano de negócios – sustentada numa visão inclusiva, avaliando e priorizando os desafios, para que os recursos humanos, naturais e financeiros sejam melhor geridos. A mudança depende da liderança e da governação e, para isso, é essencial definir prioridades e assumir riscos, bem como documentar e implementar pragmaticamente essas medidas e escolhas.

Previous post

Um dos palácios mais bonitos de Cabo Verde será reabilitado

Next post

​Macau divulga app de apoio e prevenção a desastres naturais

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *