AngolaBrasilCabo VerdeGuiné-BissauGuiné-EquatorialMoçambiqueNotíciasPortugalSão Tomé e PríncipeSaúdeSociedadeTimor-Leste

Entre lusófonos, apenas Portugal e Brasil têm mais de 80% das pessoas com HIV diagnosticadas

O Dia Mundial de Luta Contra a SIDA (AIDS) – 1 de dezembro – é uma das principais datas internacionais relacionadas com a área da Saúde. Desde 1988, o principal objetivo é quebrar preconceitos contra os seropositivos. Isso, e estimular a realização de exames que diagnosticam a presença do vírus HIV e a utilização de métodos preventivos como os preservativos e a PrEP (Profilaxia Pré-exposição).

 

Veja também

Guiné-Bissau recebe financiamento para combate à malária, tuberculose e HIV / AIDS

Em Moçambique, número de meninas com HIV é três vezes maior que o de rapazes

 

Em todo o mundo, segundo a UNAIDS (programa ligado à Organização das Nações Unidas) havia cerca de 37 milhões de pessoas convivendo com HIV no fim de 2017. Neste mesmo ano houve cerca de 1,8 milhão de novas infecções, o que ainda representa um desafio para as instituições de saúde.

 

Os dados da UNAIDS – divulgados no Relatório “Knowledge is Power” – apontam ainda que, em 2017, 75% das pessoas que estavam com HIV sabiam do seu estado sorológico. Em 2015 esse número era de 67%. Mesmo com o alto índice de conhecimento, 9,4 milhões de pessoas em todo o mundo ainda não sabem que possuem HIV.

 

Os lusófonos

 

Nos países de Língua Portuguesa, os que têm maior taxa de detecção são Portugal, Brasil e Moçambique. Isso não significa, porém, maior taxa de contaminação, apenas significa o nível de esforços da saúde pública para a realização de exames e diagnósticos.

 

Em Portugal, 91% das pessoas que estão com HIV sabem desse diagnóstico segundo a organização e 80% está em tratamento. No Brasil, 84% dos seropositivos o sabem e 64% está em tratamento. Os dois países são os únicos em que mais de 80% da população contaminada sabe do diagnóstico. Em Moçambique, 59% das pessoas sabem e 54% estão em tratamento.

 

Em Cabo verde, 75% das pessoas diagnosticadas com HIV estão em tratamento, número que baixa para 38% em Guiné Equatorial, 30% em Guiné Bissau e, por último, Angola, com 26% dos diagnosticados em tratamento. Timor Leste e São Tomé e Príncipe não possuíam dados suficientes.

 

PrEP

 

Ainda desconhecida de boa parte da população, a PrEP é como é conhecida a Profilaxia Pré-Exposição, um método de prevenção à infecção pelo HIV por meio de comprimidos. Trata-se de um medicamento que precisa ser tomado diariamente e impede a instalação do vírus no corpo, mas não impede outros tipos de Doenças Sexualmente Transmissíveis como Sífilis, Clamídia ou Gonorreia. A PrEP deve, portanto, ser combinada com o uso de preservativo. Para aceder à PrEP é necessária a autorização de um médico.

Previous post

Comunidade indígena acusada de derramar oito mil barris de petróleo na Amazónia

Next post

Música em Angola pode se inspirar em experiência de Cabo Verde

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *