BrasilPaísesPortugal

Banda do Mar em Lisboa: o que você vai perder ao não ir

(Imagem: Divulgação)

Depois de vários concertos aclamados no Brasil, a Banda do Mar de Marcelo Camelo, Mallu Magalhães e Fred Ferreira inicia em Lisboa, nas próximas semanas, uma tour por Portugal.

Eu poderia discorrer por milhares de caracteres sobre os porquês de ir ao concerto, os motivos para você garantir um bilhete. Mas já não dá, estão todos esgotados. Não só os da data oficial (28), mas também os da sessão extra (27), ambas no Teatro Tivoli BBVA.

Por isso, decidi mudar de assunto: vamos falar sobre o que você e eu – que negligenciamos o timing e não compramos nossos bilhetes a tempo – vamos perder.

A Banda do Mar já nasceu com ares de predestinada ao sucesso, a começar pela formação: Mallu Magalhães, Marcelo Camelo – ambos, inegavelmente, entre os mais importantes músicos da nova geração brasileira – e o português Fred Ferreira, baterista dos Orelha Negra e dos Buraka Som Sistema, são os nomes que encabeçam este projeto.

Mas isso você certamente já sabia. Sabia também que a Mallu e o Marcelo adotaram Lisboa como lar nos meses de gestação do álbum que lançou o grupo. Na travessia do Atlântico ao encontro de uma Cidade Nova, parecem ter achado no músico português, amigo de longa data, um parceiro que completou suas rotas.

Chamo-os assim, pelo primeiro nome, porque quem os conhece desde antes da Banda do Mar, nas suas carreiras individuais, já não tem distanciamento. Vê-los literalmente crescendo com um violão nos braços, as letras, as músicas… Tem tudo uma aura simples, tão espontânea e natural, que quem alguma vez já foi a um show deles e conhece “de perto” o frescor da Mallu e a serenidade do Marcelo, vira íntimo. E ponto.

Banda do Mar é um disco de estreia que já vem maduro e cheio de personalidade, resultado da bagagem e da trajetória pessoal de cada um. Depois das participações da Mallu em músicas do Marcelo, como na arrepiante Janta (desafio-o a ouvir esta música sem uma reação sequer na pele), e da produção dele no excelente álbum Pitanga, lançado pela Mallu em 2011, agora o Fred (afinal ele já é família), que é amigo do Marcelo há mais de uma década, dá o contraponto e vem ajudar a dar ritmo ao encontro. Tudo muito familiar, simples e doce.

Para além de soar como uma troca de declarações entre o casal, nas 12 faixas (sete cantadas por ele e cinco por ela) vê-se que o ar de melancolia e timidez de começo de namoro (que eram respectivamente características marcantes do trabalho individual do Marcelo e da Mallu) deram lugar a uma batida alto-astral, com letras que ilustram a feliz união amorosa e artística dos dois (como se a gente ainda precisasse de provas…).

Com ares de surf music, o álbum tem correntes de pop rock e indie rock. E, conforme as faixas avançam, com suas letras ensolaradas, é impossível não se sentir imerso no mar que o álbum leva no nome. O melhor – e que certamente dará para comprovar na performance ao vivo – é que o álbum não é de um ou de outro, vê-se que resulta da forte amizade e sintonia entre os três integrantes que comandam o barco.

O álbum foi considerado um dos lançamentos mais relevantes de 2014, tanto pelo impacto de suas composições, quanto pela união musical de três artistas com trajetórias tão diferentes. As músicas, por sua vez, têm a cor e o cheiro de Lisboa. Sério. Não é devaneio de quem escolheu a cidade para viver, o próprio Marcelo confirmou minha teoria numa entrevista à Rolling Stone pouco antes da estreia da tour no Brasil:

“Eu sempre percebo que a velocidade de onde o disco é feito é determinante para o jeito com que as músicas se formam. Lisboa, cara, Lisboa tem aquela luz. Sei lá. Não é o que os nossos olhos veem, mas o que a gente sente. Os sons da cidade, a umidade, o cheiro, o conjunto de sensações nas quais tudo está em sintonia. Porque quando você fez aquilo, aquele conjunto de sensações está em torno de você, embebido daquilo. Um português já disse que Toque Dela [álbum escrito em São Paulo] não era um disco tão exuberante. É mais adornado, mas tem menos essa coisa de Mata Atlântica do Sou [álbum escrito no Rio de Janeiro]. Banda do Mar tem uma coisa mais límpida, alguns agudos. E que é aquela luz de Lisboa”.

O que os atrapalhados como nós não vão conseguir saber é se a performance ao vivo é mesmo ainda melhor do que o álbum, como dizem os fãs que já foram aos shows no Brasil. Nos dias de concerto, o público – quem já é fã e quem anda curioso pela novidade – esquecerá o inverno por algumas horas para sair do Tivoli com cheiro a maresia.

Por ora, só o que sei é que lá já não cabe Mais Ninguém, os bilhetes estão esgotados, e eu estou de fora.

datas banda do mar

 

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.