BrasilMundoSaúde

Organização Mundial de Saúde e Estados Unidos acusam Brasil de não compartilhar dados sobre Zika

A Organização Mundial de Saúde (OMS) e os Estados Unidos afirmam que o Brasil não está compartilhando amostras e dados o suficiente sobre o zika para permitir que pesquisadores determinem se o vírus está realmente por trás dos casos de microcefalia no país.

 

Segundo a OMS, o país teria enviado até agora menos de 20 amostras de sangue contaminado para o exterior, dificultando o acompanhamento da evolução do vírus.

 

Um dos principais problemas é a legislação brasileira: é tecnicamente ilegal para pesquisadores e institutos brasileiros compartilhar material genético, incluindo amostras de sangue contendo zika e outros vírus.

 

A falta de dados está forçando laboratórios americanos e europeus a trabalharem com amostras de surtos anteriores da doença e está frustrando esforços para desenvolver testes diagnósticos, drogas e vacinas.

 

Clique na imagem abaixo para tirar dúvidas sobre o vírus zika:

especialthumb

A ausência de amostras dificulta o acompanhamento da evolução do vírus. Em entrevista à agência Associated Press, Ben Neuman, virologista da Universidade de Reading, na Inglaterra, afirmou que milhares de amostras – ou ao menos centenas – são necessárias para rastrear o vírus e determinar como ele está se modificando.

 

OMS declara emergência mundial por causa do vírus zika

 

 

Leya

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.