AngolaBrasilCulturaPortugal

Premiado, “I Love Kuduro” chega às salas de cinema em Portugal

(Imagem: I Love Kuduro, Divulgação)

I Love Kuduro

Estreou a 18 de Setembro nas salas de cinema portuguesas o documentário I Love Kuduroproduzido pelos irmãos Mário e Pedro Patrocínio. Filmada em Angola, a longa-metragem documental retrata aquele que é o estilo cultural urbano mais popular do país.

O documentário acompanha nomes importantes da música do país, nomeadamente Bruno de Castro, Eduardo Paim, Sebem, Nagrelha, Hochi Fu, os Namayer, Tchobari, Titica, Francis Boy e Cabo Snoop, oferecendo uma visão única sobre a nova geração de talentos angolanos.

“O que tentámos fazer foi encontrar os personagens que nos pudessem compor o que é o kuduro, cada um deles ser complementar, e sobretudo que nos fizesse vivê-lo”, sustenta Mário Patrocínio em entrevista para o site myway.

O filme, que estreou-se a percorrer o circuito de festivais de cinema, ganhou em 2013 o prémio de Melhor Fotografia Documentário no Cineport – Festival de Cinema de Países de Língua Portuguesa (Brasil). Segundo o site Boas Notícias, o documentário foi também selecionado para o HotDocs International Documentary Festival, o maior festival de documentários da América do Norte, vai estar presente no Festival Lusophone Film Fest of Nairobi, no Quénia, e ainda no Fist Up Film Festival, na Califórnia, EUA.

 

Assista ao trailer:

I Love Kuduro from BRO CINEMA on Vimeo.

 

O ritmo

O Kuduro (literalmente “cu duro”) é um movimento cultural urbano nascido em Angola durante a última década da Guerra Civil.

Criado nas discotecas e raves da Baixa de Luanda através de uma fusão entre batidas House , Techno e ritmos tradicionais angolanos, o Kuduro transbordou do centro da cidade para a periferia. Rapidamente se espalhou por Angola, por África e agora por todo mundo.

O Kuduro mistura dança, música e lifestyle, as suas letras inspiram-se nas coisas simples do dia-a-dia, e a sua cultura está presente um pouco por todo o lado – seja numa esquina, numa escola, num táxi ou até num estádio de futebol.

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.