AngolaCultura

Se nada mudar, a Rebita corre sério risco de desaparecer

A Rebita, um dos estilos de dança mais tipicamente angolanos, não tem o interesse dos mais jovens e por isso corre sérios riscos de desaparecer.

 

Quem o diz é o grupo Novatos da Ilha, um agrupamento musical e de dança fundado há 61 anos na Ilha de Luanda, e que aposta na preservação e divulgação deste estilo musical.

 

Neste momento os Novatos da Ilha são o único grupo angolano especializado na dança e atravessa grandes dificuldades financeiras. Bartolomeu Manuel Napoleão, fundador do conjunto, defende a pertinência de se continuar a apostar na Rebita, uma vez que esta faz parte da herança cultural angolana e aponta o dedo à falta de investimento do Ministério da Cultura na salvaguarda deste tesouro nacional.

 

Faz falta que os angolanos voltem a orgulhar-se e a interessar-se pelo estilo de dança popular de umbigada, dançada por casais, que começou na rua à luz da lua, migrou para os salões, pelas mãos de artistas como Liceu Vieira Dias, José Maria e Nino Ndongo e mais tarde deu origem ao Semba.

 

Oiça em baixo uma reportagem sobre a história, a evolução e os problemas deste género musical tão ímpar.

 

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.