AngolaCultura

Documentário de animação sobre guerra angolana vence prémio europeu

Baseado nas memórias do jornalista Ryszard Kapuściński (1932-2007), um dos grandes repórteres do século passado, o documentário de animação Another day of Life (“Mais um dia de Vida”) foi distinguido internacionalmente. Depois da nomeação para o Festival de Cannes, entre várias outras, o documentário venceu o galardão de melhor filme de animação nos Prémios de Cinema Europeu (European Film Awards).

 

O livro homónimo, publicado em 1976, retrata três meses da vivência do repórter polaco em território angolano, durante a guerra civil iniciada em 1975. A obra, categorizada como não ficção, chegou à forma cinematográfica em 2018. Trata-se de uma coprodução polaca, espanhola, belga, alemã e húngara, dirigida por Raúl de la Fuente e Damian Nenow.

Uma das capas do livro “Mais uma dia de Vida”, da autoria do jornalista polaco Ryszard Kapuściński (Imagem: Reprodução Amazon)

Durante o evento europeu, que teve lugar em Sevilha, Damian Nenow confessou à EuroNews que esta produção começou por parecer “uma loucura”. No entanto, após a leitura da obra, o cineasta polaco reconsiderou. “Quando se conhece a escrita de Kapuściński, parece tão natural misturar ficção e poesia com factos e com a verdade indiscutível”, afirmou.

 

Segundo o The Guardian, foi ao documentarista espanhol, Raúl de la Fuente, e à sua companheira e produtora, Amaia Remírez, que a ideia ocorreu primeiramente. A admiração pelo trabalho do autor polaco, bem como uma viagem antiga de ambos até Menorca, foi o suficiente para levar o projeto avante. Assim nasceu o filme “Mais um dia de Vida”, que combina animação e documentário.

 

Mais um dia de vida: factos ou ficção?

O conflito angolano que inspirou a obra do jornalista polaco e, consequentemente, o filme, acabou por durar quase 30 anos. Com algumas interrupções entre 1975 e 2002, a guerra civil de Angola foi uma dura realidade que assombrou a sua população. O livro que daí se originou retrata uma visão profundamente pessoal de Kapuściński, que queria regressar à Polónia o mais rápido possível. O caos do país africano em tempos de guerra e a escassez de recursos financeiros do jornalista, depois de três meses, levaram-no a vivenciar momentos de grande perigo e solidão.

 

A obra é, portanto, uma combinação entre o trabalho de repórter e o de autor, que além de observar e reportar o mundo, reflete sobre ele de forma subjetiva. Veja o trailer do filme:

 

Previous post

Em Portugal, as garrafas de plástico serão trocadas por uma recompensa

Next post

Comissão Europeia intima Portugal a melhorar condições dos animais em laboratório

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *