Cultura

Cantos na Maré encanta a Galiza há 10 anos. Conheça!

O Pazo da Cultura da cidade de Pontevedra (Galiza) converteu-se mais uma vez na festa da Lusofonia. Mas o que teve de especial este ano o Cantos na Maré? Os dez anos. Dez de anos de “vozes que um dia sairam de Porto e agora chegam a casa”, como diz a Uxía, directora artística do festival. Dez anos a festejar uma língua que percorre océanos, uma língua universal, uma língua cantada em Moçambique, no Brasil, na Angola, em Portugal, na Galiza… pronto, não é preciso nomear a quantidade de lugares em que a língua galego-portuguesa é falada, mas o Cantos na Maré é mais uma oportunidade para mostrar ao mundo que a nossa língua é universal. E destes países mencionados é de onde procedem os artistas que fizeram parte deste convite para festejar a lusofonia. 

Foram as galegas Sés e Uxía que abriram o palco a cantar o que já é o hino oficial deste festival, “Cantos na Maré”. A galega Sés, cantora revelação nos últimos anos com uma voz que faz tremer oceanos inteiros, foi a encarregada de apresentar ao público o moçambicano Cheny Wa Gune, que veio acompanhado da sua Timbila*. Se calhar o momento mais emotivo desta festa foi a volta do Chico César dez anos após sua visita à primeira edição do Cantos na Maré, em 2003. Já podem imaginar o êxtase colectivo do público quando as notas de ”Mama África” começaram a soar da mão da banda base que acompanhou ao resto dos artistas do festival: Paulo Borges (Açores, Portugal) ao piano, teclados e acordeão, Berg (Portugal) à guitarra, José Manuel Díaz (Cuba) no contrabaixo, Joaquim Teles “Quiné” (Portugal) na bateria e percussão e o magnífico Sergio Tannus (Brasil) na guitarra, viola caipira e cavaquinho. 

Uma das surpresas foi o jovem brasileiro Dani Black. Aliás, a que escreve este artigo quase não aguentou as lágrimas quando ele e Chico César entoaram o tema “À primeira vista” e um auditório completamente cheio acompanhou a cantarolar: “amarazáia zoê, záia, záia…“, simplesmente maravilhoso. Desgarrador, o pai do rock português, Rui Veloso, pela primeira vez cantava em terras galegas (engraçado, não é? Galiza e Portugal tão perto e ao mesmo tempo tão longe…). Pelo palco apareceu também o galego Narf e a angolana (já quase galega) Aline Frazão. O público cantou um Parabéns para você e os sotaques misturaram-se em Pontevedra a festejar o que o Chico César muito acertadamente denominou a Ilusofonia.

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.