BrasilCiênciaEconomiaMundoSociedadeTecnologia

A 5G está a chegar e (quase) parece mentira

A “velha” Motorola, que quase se afundou depois da chegada dos smartphones, tem vindo a apostar no desenvolvimento do primeiro aparelho 5G – a nova geração de comunicação móvel, que promete um funcionamento em rede muito mais evoluído do que tudo o que já vimos até hoje. Não é por acaso que americanos, europeus e asiáticos estão a disputar quem chega primeiro a esta nova forma de vida. Não acredita?

 

Vejamos, então, algumas das novidades que a 5G está a preparar para o futuro e como essas irão afetar o nosso quotidiano, assim que o acesso democratizado for viável: velocidade, rede e streaming são as palavras de ordem. No que toca à primeira, poderia bastar saber que a quinta geração foi concebida para ser, no mínimo, 10 a 20 vezes mais rápida do que a geração anterior (4G). Estes dados podem não ser ilustrativos o suficiente, mas a análise fica mais simples em poucas palavras: em vez de minutos, chegarão apenas alguns segundos para descarregar um filme inteiro, em alta qualidade (HD) e um segundo para descarregar 90 músicas.

 

Outra das grandes vantagens da 5G é a capacidade de conexão de dispositivos ao mesmo telemóvel, coisa que já acontece na 4G mas que, por norma, torna todo o funcionamento mais lento. A nova promessa é que essa lentidão deixe de ser consequência e que o número de dispositivos possa ser cada vez maior; e quando dizemos “maior”, estamos a referir-nos aos nossos microondas, frigoríficos e, até, aos interruptores lá de casa. Quanto aos nossos automóveis, tudo fica ainda mais surreal: vão abrir e fechar através do telemóvel e ser capazes de estacionar e conduzir sozinhos; como se isso não bastasse, estarão equipados com internet e vão possibilitar a comunicação com outros veículos. Parece que o nosso telemóvel vai conseguir controlar todos os outros objetos que fazem parte do nosso quotidiano, porque também eles estarão conectados à rede e a funcionar numa nova lógica – a da IoT (Internet of Things).

 

A rede streaming vai colocar toda a necessidade de presença física em perspetiva, porque o universo desta nova geração vai tornar possível que estejamos a ver o concerto da nossa banda favorita sentados no sofá, mas de óculos de realidade virtual na cara e a viver o momento como se lá estivéssemos. O streaming será em 360 graus e, no mínimo, com qualidade 8K. Já imaginou?

 

O mundo vai mudar

As transformações prometem ser tantas, e tão profundas, que mais vale admitir já que estamos um pouco reticentes. Afinal de contas, a chegada do 5G implica toda uma instalação em rede que representa um investimento de altíssimo custo; só para viabilizar esse processo em São Marinho, um principado europeu que já fechou negócio para a instalação da rede 5G por toda a sua área, a estimativa de gastos feita pela Comissão Europeia ronda os 57 mil milhões de euros. Além disso, este novo universo tecnológico também vai obrigar-nos a repensar o conceito da privacidade e de emprego (novamente).

 

Pois é, voltamos ao mesmo desafio de sempre no que toca a sistemas em rede, internet e dispositivos tecnológicos: são muito nossos amigos, mas obrigam-nos a fazer algumas cedências quando chega a hora de querer entrar no paradigma. A rede que permitirá a existência do 5G vai conter mais informações a nosso respeito do que alguma rede criada até a hoje – o que comemos, o que gostamos de ver na televisão, o que compramos; etc. Esse facto poderá levantar alguns problemas, porque todos os desafios que surgiram com as redes sociais e a internet vão ver-se, agora, mais que redobrados.

 

O mesmo acontece com o emprego e a progressiva substituição do ser humano pela tecnologia. Se o futuro vem com robôs capazes de tomar decisões e uma rede alargada a quase todos os componentes da nossa vida, a consequência normal que daí advém é a diminuição do número de postos de trabalho para os quais a “mão humana” será realmente necessária. Se, por um lado, a economia vai levar um boost graças à maior rentabilização industrial que estes avanços possibilitam, algumas pessoas vão ser deixadas para trás dentro do mercado laboral.

 

Ainda assim, não vale a pena sofrer por antecipação. Se nos focarmos nas vantagens, rapidamente percebemos que o 5G é absolutamente revolucionário – em muitos sentidos. Se aquilo que já faz parte do seu quadro de intenções deixa a maioria das pessoas boquiaberta, a verdade é que já dá para adivinhar um potencial que supere as expectativas. Vai trazer (ainda) mais avanços tecnológicos e um leque de possibilidades imensas que vão, certamente, tornar o mundo num lugar muito diferente daquele que conhecemos hoje.

 

Quando é que tudo isto vai chegar ao mercado?

Sobre a data de implementação e a efetiva chegada da 5G, é importante apontar que deve ser mais cedo do que estamos à espera. O primeiro prazo estipulado foi o ano de 2020 – e só aí deverá chegar ao Brasil -, mas já várias entidades estão a colecionar esforços de forma a possibilitar uma entrada antecipada no mercado. Ainda este ano, empresas como a Verizon e a AT&T planeiam lançar uma espécie de adaptador que permite a implementação de um sistema de wireless fixo para a quinta geração, mas apenas nos Estados Unidos da América (EUA). No contexto brasileiro, antevê-se que haja alguma demora no processo de implementação da rede, mas a Anatel já está a desenvolver estudos técnicos para que esse objetivo seja alcançado.

 

Já em 2019, prevê-se que a Motorola e a LG lancem telemóveis 5G e a operar no sistema Android. O primeiro, e já anunciado, chama-se Moto Z3 5G (Motorola) e será comercializado nos EUA, exclusivamente pela operadora Verizon, por US$480. Para o sistema iOS, e pelo que se sabe atualmente, ainda não há datas – nem razões para acreditar que a Apple se vai lançar nesse mercado num futuro a curto prazo.

 

Moto Z3 5G (Imagem: Reprodução Motorola)

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.