Cultura

Agualusa: “É impossível crescer em Angola sem ouvir falar da rainha Ginga”

O escritor José Eduardo Agualusa disse em entrevista à Lusa que o seu novo romance, “A Rainha Ginga”, responde a “uma inquietação” dos angolanos que querem conhecer o seu passado, numa nova perspetiva.

Falando sobre o livro, que será lançado nesta sexta-feira (às 21:30, no Clube Ferroviário, em Lisboa), Agualusa afirmou que, desde sempre, se interessou pela a rainha e que este é um “livro que queria escrever há muito tempo”, mas que lhe “parecia muito difícil e até impossível”.

FOTO: Divulgação
FOTO: Divulgação

“A Rainha Ginga”, conta a vida fantástica de Dona Ana de Sousa, a Rainha Ginga (1583-1663), cujo título real em quimbundo, “Ngola”, deu origem ao nome português para aquela região de África.O narrador do livro é um padre, Francisco José de Santa Cruz, nascido em Pernambuco, nomeado em 1620 secretário de Ginga, rainha do Dongo e da Matambam, no norte da atual Angola.

“Este livro responde a uma inquietação mais geral, que sinto da parte de todos os angolanos, e até africanos. Por coincidência, o Mia Couto está neste momento a trabalhar num romance sobre o Gungunhana. É uma coincidência, mas corresponde a uma inquietação [africana] mais geral”.

Segundo o escritor de 53 anos, o que o levou a escrever este livro foi “mostrar como os africanos foram parte ativa, e de uma forma bem mais vigorosa, daquilo que se estuda nos compêndios europeus, neste processo de construção de nações, de redesenhar o mapa do mundo”.

Na luta contra o poderio português, que se estabelecia naquela região da atual Angola já há cem anos, “Ginga quase triunfou; foi por uma unha negra [que foi derrotada]”, diz Agualusa. “Ela aliou-se aos holandeses e, tivesse triunfado, o mapa de África seria hoje bem diferente, e o mapa da lusofonia também”.

A rainha viveu entre 1583 e 1663 e, nesta época — século XVII –, Agualusa sublinha que “já existia um ambiente urbano-africano, já existia uma cidade de Luanda, luandenses e até há referências a euro-africanos, filhos de portugueses brancos nascidos em Angola, sendo que muitos desses portugueses eram nascidos no Brasil”.

A obra sublinha “factos pouco conhecidos”, como a participação de índios do Brasil, ao lado das tropas holandesas combatendo o poderio português em África, ou que foi um negro de Angola, Henrique Dias, quem derrotou tropas holandesas no Brasil e restabeleceu o domínio português, “tendo participado depois no resgate de Luanda”, que caíra em mãos neerlandesas. “E nessas tropas há também índios”.

“Este é o período em que Angola está a começar, e também o Brasil, que ainda não era o país que conhecemos, com as fronteiras atuais, e até, de certa maneira, o Portugal contemporâneo está também a acontecer e os africanos são parte muito ativa na transformação por completo de todos estes territórios”, salientou.

Agualusa referiu-se à rainha Ginga como uma personagem apaixonante: “É impossível crescer em Angola sem ouvir falar da rainha Ginga. Eu cresci a ouvir falar dela”, enfatizou. Para se “aventurar” a escrever este romance histórico, Agualusa disse que teve de se “informar mais” e precisou de se “colocar na cabeça da Ginga, no seu universo”, salientando que “tudo aconteceu numa época muito recuada”.

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.