BrasilEducação

Desde o dia 1º, Novo Acordo Ortográfico é obrigatório no Brasil

As regras do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa são obrigatórias no Brasil desde a última sexta-feira (1º de janeiro de 2016). Em uso desde 2009, mudanças como o fim do trema e novas regras para o uso do hífen e de acentos diferenciais agora são oficiais com a entrada em vigor do acordo, adiada por três anos pelo governo brasileiro.

 

Assinado em 1990 com outros Estados-Membros da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) para padronizar as regras ortográficas, o acordo foi ratificado pelo Brasil em 2008 e implementado sem obrigatoriedade em 2009. A previsão inicial era que as regras fossem cobradas oficialmente a partir de 1° de janeiro de 2013, mas, após polêmicas e críticas da sociedade, o governo adiou a entrada em vigor para 1° de janeiro de 2016.

 

O Brasil é o terceiro dos oito países que assinaram o tratado a tornar obrigatórias as mudanças, que já estão em vigor em Portugal e Cabo Verde. Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste ainda não aplicam oficialmente as novas regras ortográficas.

 

Juca Ferreira: “nossa língua está a exigir uma afirmação global”

 

Com a padronização da língua, a CPLP tem como objetivo facilitar o intercâmbio cultural e científico entre os países e ampliar a divulgação do idioma e da literatura em língua portuguesa, já que os livros passam a ser publicados sob as novas regras, sem grandes diferenças de vocabulários entre os países. De acordo com o Ministério da Educação brasileiro, o acordo alterou 0,8% dos vocábulos da língua portuguesa no Brasil e 1,3% em Portugal.

(Imagem: Reprodução Outro Lado da Moeda)
(Imagem: Reprodução Outro Lado da Moeda)
As principais mudanças

– Ampliação do alfabeto oficial da língua portuguesa para 26 letras, com o acréscimo do k, w e y.

– O trema – dois pontos sobre a vogal u – foi eliminado. No entanto, a mudança vale apenas para a escrita, e palavras como linguiça, cinquenta e tranquilo continuam com a mesma pronúncia. O trema vale apenas em nomes próprios, como Müller.

– Acentos diferenciais também deixaram de existir, de acordo com as novas regras, eliminando a diferença gráfica entre pára (do verbo parar) e para (preposição), por exemplo. Há exceções como as palavras pôr (verbo) e por (preposição) e pode (presente do indicativo do verbo poder) e pôde (pretérito do indicativo do verbo poder), que tiveram os acentos diferenciais mantidos.

– O acento circunflexo deixa de existir em palavras terminadas em “êem”, como nas formas verbais leem, creem, veem e em substantivos como enjoo e voo.

– O acento agudo é eliminado nos ditongos abertos “ei” e “oi” (antes “éi” e “ói”), resultando em nova grafia a palavras como colmeia e jiboia.

– O hífen deixou de ser usado em dois casos: quando a segunda parte da palavra começar com s ou r (contra-regra passou a ser contrarregra), com exceção de quando o prefixo terminar em r (super-resistente), e quando a primeira parte da palavra termina com vogal e a segunda parte começa com vogal (auto-estrada passou a ser autoestrada).

 

Opinião: Português com todos

 

Leya

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.