MoçambiquePolíticaSociedade

Morreu Dom Jaime Gonçalves, um dos precursores da paz em Moçambique

Leya

 

Chama-se Dom Jaime Gonçalves e foi um dos precursores da paz em Moçambique, tendo sido negociador durante o processo que culminou com a assinatura dos acordos gerais de Roma, a 04 de Outubro de 1992. Arcebispo emérito Beira (Sofala), Dom Jaime Gonçalves padecia de problemas de saúde nos últimos dias e não resistiu. Perdeu a vida na madrugada do dia 6 de Abril, na Clínica Avicena, na cidade da Beira.

 

Uma das últimas aparições públicas de Dom Jaime Gonçalves foi para abordar a actual tensão político-militar que assola Moçambique – ele criticava a forma com que os políticos estavam a gerir a crise. Defendeu na altura que o entendimento de Roma ainda é a solução para os conflitos no país e deve ser revisitado pela igreja, quando Moçambique vive uma nova crise política e militar.

 

Para Jaime Gonçalves, os acontecimentos recentes em Moçambique deixaram claro que “o Acordo de paz não está a ser praticado pela Frelimo”, argumentando que a linha dura do partido se recusou a integrar os homens armados da Renamo, que ficou um “movimento descamisado”, e que há um plano para eliminar o seu líder, Afonso Dhlakama.

 

– Para mim foi uma humilhação terrível o Presidente da República [Filipe Nyusi], o mais alto magistrado da nação, ir a Angola aprender como mataram Savimbi – afirmou numa entrevista à Agência Lusa.

 

A Renamo, maior partido da oposição, não reconhece os resultados das eleições de outubro de 2014, ganhas pela Frelimo, no poder desde a independência, e ameaça tomar pela força seis províncias onde reivindica vitória, tendo pedido mediação da África do Sul, União Europeia e Igreja.

1 Comentário

  1. Cumbe
    6 Abril, 2016 às 18:52 — Responder

    Thanks to jornalista Tasanzana, he is a brave young mocambican jornalista we need people like who can not be intimidated , reality am vary shocked if Nyusi went to Angola to seek help on how they can eliminate the leader of Renamo it should not be silence it’s up to the people of mozambique to contest and show that he is total wrong and action must be taken before it’s too late .The wrong of Frelimo they think everything should be done with violence, in fact they are the one’s who violating the country. They are provocative to Renamo and final accuse them , only to fool people of Mozambique

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.