Cultura

No aniversário de Caetano Veloso, uma seleção de músicas para comemorar

Nascido em Santo Amaro da Purificação, pequena cidade do Recôncavo Baiano, próxima de Salvador, Caetano Veloso completa hoje 72 anos.

É difícil encontrar um artista da música brasileira que não tenha sido influenciado de algum modo por Caetano. O cantor e compositor Djavan foi tão marcado pela obra do baiano que, em 1982, na canção Sina, o transformou em verbo no verso “como querer caetanear o que há de bom”.

Para além de ser um dos principais nomes do movimento tropicalista, ao lado de Gilberto Gil, Gal Costa e Tom Zé, o cantor teve a carreira marcada pela polêmica: foi acompanhado pela banda de rock Os Mutantes durante a apresentação de É Proibido Proibir, no 3º Festival Internacional da Canção, quando fez um acalorado e inesquecível discurso; gravou compositores considerados cafonas como Vicente Celestino, Peninha e Fernando Mendes; foi preso pelo regime militar e depois exilado em Londres em 1969.

Com uma discografia de cerca de 50 discos entre solos, coletivos e coletâneas, sempre inovador, o cantor permanece extremamente produtivo, apoiando os mais diferentes movimentos e artistas de várias vertentes. Atualmente, Caetano está em turnê com o show Abraçaço.

Nossa equipa listou um conjunto de músicas que ilustram a carreira deste cantor que é um dos mais importantes nomes da Música Popular Brasileira e um dos pais do Tropicalismo:

A estreia de Caetano foi em Domingo (1967), um disco dividido com Gal Costa, um louvor à bossa nova de beleza pura e inocente – o extremo oposto do que estava por vir, ainda naquele ano, com o Tropicalismo. Destaque para a música Domingo:

O álbum Caetano Veloso (1968) é considerado uma obra-prima tropicalista, movimento que mudou a música brasileira com uma explosão de cores e sons. Das músicas, Alegria, Alegria, Tropicália e Superbacana são essenciais.

Alegria, Alegria:

Tropicália:

Superbacana:

Caetano Veloso (1969) ficou conhecido como “o disco da assinatura”, já que a capa do álbum era composta somente pela assinatura do cantor sobre um fundo branco. Foi gravado depois da prisão de Caetano e Gilberto Gil, no período em que eles ficaram impedidos de deixar Salvador (e antes de irem para o exílio em Londres). Dentre as músicas, Irene está entre os “must-listen”:

O álbum Transa (1972), gravado no exílio em Londres, é considerado por muitos o melhor disco do cantor. Destaque para You Don’t Know Me e Mora na Filosofia.

You Don’t Know Me:

Mora na Filosofia:

O álbum Joia (1975) revelou o lado experimental de Caetano, com músicas como Pipoca Moderna:

Lançado em 1978, Muito traz clássicos como Sampa:

Lançado em 1991, Circuladô tem entre os destaques Fora de Ordem:

As canções do álbum (2006) têm letras que figuram entre as mais pessoais já escritas por ele, como Eu Não me Arrependo:

Abraçaço, lançado em 2011, foi premiado com o Grammy Latino de Melhor Álbum de Compositor em 2013, com destaque para a música A Bossa Nova É Foda, que encerra a nossa breve lista:

Ficou com sede de mais? Para explorar a discografia completa, basta acessar o site oficial do cantor, onde é possível ouvir e/ou baixar os álbuns.

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.