BrasilPaísesPolítica

Presidente da Guiné Equatorial patrocina escola de samba brasileira

(Imagem: Divulgação ONU)

O que Teodoro Obiang Nguema Mbasogo, de 72 anos, presidente há 35 anos da Guiné Equatorial, o chefe de Estado há mais tempo no poder na África, e o oitavo governante mais rico do mundo, segundo a revista Forbes, tem a ver com a Beija-Flor de Nilópolis, escola de samba campeã 12 vezes do Grupo Especial do Carnaval do Rio de Janeiro?

Além de confirmar presença no Carnaval deste ano, Obiang ofereceu R$ 10 milhões para patrocinar o desfile da Beija-Flor, que exalta o país com o enredo “Um griô (homem sábio) conta a História: um olhar sobre a África e o despontar da Guiné Equatorial. Caminhemos sobre a trilha de nossa felicidade”.

A cifra foi revelada pelo jornalista Ricardo Noblat, do jornal O Globo, em um artigo que faz a recapitulação das negociações entre o governante e a escola de samba e ressalta que esta é a primeira vez que uma escola de samba do Rio de Janeiro recebe um patrocínio tão alto. Vale ressaltar, como lembra a publicação, que os sambas “sob encomenda” não são novidade: é uma prática que acontece desde os anos 1970. Neste Carnaval, além da Beija-Flor, outras três grandes escolas de samba do Rio de Janeiro desfilarão com histórias patrocinadas.


beijafloralegoriaGUINEProjeto de uma das alegorias do desfile (Imagem: Reprodução Portal do Samba RJ)

Contudo, na música optou-se por ampliar o foco e elogiar belezas e lendas do continente africano. Somente em duas passagens o samba fala diretamente da Guiné. Uma quando a chama somente de Guiné, outra quando se refere ao país como Guiné Equatorial. Seria uma forma de escapar da acusação de ter feito um Carnaval financiado por aquela que é considerada uma das mais cruéis ditaduras do mundo, conforme o relatório de 2013 do Departamento de Estado do governo americano?

A letra, inclusive, foi alterada a pedido de Obiang, que solicitou que o nome do país constasse completo nos versos, já que na África há outras duas Guinés e o governante não queria que a “sua” Guiné fosse confundida.

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.