CulturaOpinião

O que é essa história de Lusofonia?

Mas afinal o que é essa história de Lusofonia? É o facto de falarmos português, é? Todo aquele que fala português é lusófono, é isso?

 

– Pode ser. É o ponto de partida. Mas acho que a lusofonia é antes de tudo, um processo histórico e vivo, que começou aquando das expedições marítimas portuguesas, e desde então, não tem parado de evoluir. Não contentes de levarem os seus negócios, os portugueses levaram por Oceanos fora, aquilo que define um povo: a sua língua, os seus costumes, a sua cultura.

 

– Per’aí… Então tás-me a dizer que a tal Lusofonia que tem vindo a ser promovida não passa da continuação do colonialismo português? Da imposição e permanência da cultura destes aos povos que colonizaram??

 

– Não! Eu disse que foi um ponto de partida. É inegável que, se hoje se fala português em terras tão longínquas como o Brasil, Macau, Angola, Moçambique, etc, é porque houve esse processo de Descobrimentos, comércio, colonização. Tudo isso marcou perduravelmente os destinos de todos os povos envolvidos, quer sejam os portugueses, quer sejam os autóctones que eles encontraram em cada porto.

 

Mas hoje, a Lusofonia é mais uma mistura, uma miscelânea de tudo o que constitui a(s) cultura(s) desses povos.

 

Todos eles enriqueceram a Lusofonia com palavras, sons, sabores, cores, visões, modos de pensar e de viver. A Lusofonia é uma obra em constante evolução; é pôr à mesma mesa pastel de bacalhau e cachupa*, regado com maruvo* ou vinho verde, ao ritmo de um semba ou duma marrabenta*; é estabelecer um acordo ortográfico pra melhor o desacordar; é viajar até Goa com o Camões, andar descalço no Moçambique Sonâmbulo de Mia Couto, rever o Makulusu na prosa do Luandino Vieira, ver a areia vermelha que se levanta a cada correria pelos musseques de Luanda; é combater com a determinação de Amílcar Cabral; é curtir a nonchalante morabeza cabo-verdiana ao som dum batuque* animado; é atravessar o Atlântico e reencontrar em Salvador da Bahia a ginga africana, os sabores do mufete* agrementado de especiarias da Amazónia, os mil palacetes de fachadas coloridas e igrejas rococó que ornam a paisagem de Lisboa, menina e moça em constante reinvenção…

 

 

– Fala sério? Lusofonia é ISSO TUDO?

– Não, meu amigo, a Lusofonia não é só isso! A Lusofonia és tu, que ao quereres saber, alargas a definição, incluindo as tuas sensações, memórias, experiências, emoções… E cada pessoa que se interessar, falar, se interrogar sobre os limites e fronteiras da Lusofonia, estará apenas a ampliá-la, a provar quão infinita ela é. Se a Língua Portuguesa é uma Pátria como escreveu Fernando Pessoa, a nossa Pátria comum, a Lusofonia é a sua História. E por definição, a História está em curso, continua a ser escrita hoje, aqui, agora.

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.