CulturaEnsino

Revolta de Malês vira game pedagógico

A Revolta de Malês é o tema escolhido para o jogo Sociedade Nagô. O game vai retratar o levante dos escravos em Salvador, no Brasil, durante o Império, em 1835.

 

O lançamento do jogo está previsto para o dia 16 de dezembro de 2018. Será feito durante um evento em Salvador, dedicado aos diferentes tipos de jogos de tabuleiro online.

 

A empresa responsável pelo evento, Strike Games, vai disponibilizar computadores e celulares para os participantes que queiram participar. O jogo é estilo point and click, ou seja, basta apontar e clicar nos objetos e cenários para dar continuidade à narrativa.

 

Este já é o terceiro jogo da Strike Games com a mesma temática. Ele tem por objetivo resgatar um conteúdo histórico que se perdeu ao longo do tempo. Além disso, o game tem aporte pedagógico e fator lúdico, tornando o aprendizado muito mais fácil e divertido.

 

A produção conta com um apoio financeiro do Governo da Bahia, concedido através do Fundo de Cultura da Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura do Estado da Bahia. O produtor e idealizador do jogo é o designer Alexandre Santos.

 

Você pode baixar a versão para Android aqui.

 

Informações sobre o evento

  • Data: Domingo, 16 de dezembro de 2018.
  • Horário: Das 17 horas às 19 horas.
  • Local: São Jogue, Avenida Paulo VI, 1535, Pituba, Bahia.
  • O que foi a Revolta de Malês?

O que foi a Revolta de Malês?

A Revolta de Malês ocorreu na noite do dia 24 para o dia 25 de janeiro de 1835. O nome Malês se refere ao verbete imalê, que significa muçulmano. O movimento foi organizado pelos negros de origem islâmica e falantes do Iorubá.

 

Na data, apenas os negros africanos participaram, somando pouco mais de 600 homens. Os negros brasileiros, conhecidos também por crioulos, não cooperaram. Os escravos iorubás que se revoltaram eram chamados popularmente de nagôs. Por isso o jogo chama-se Sociedade Nagô.

 

Os escravos planejavam um ataque pela manhã do dia 25, porém foram surpreendidos na noite do dia 24 após serem denunciados às autoridades. A batalha foi improvisada juntando rebeldes em frente a Câmara Municipal da cidade.

 

A revolta foi contida pelas forças policiais em menos de 24 horas. Os Malês foram capturados e julgados, sofrendo variados tipos de penas, entre elas inclusive a deportação forçada para a África. Quatro homens foram executados por pelotão. O movimento foi liderado por sete escravos, sendo cinco nagôs.

VEJA TAMBÉM

Consequências da revolta

Uma das principais consequências da Revolta de Malês foi a piora das condições para os escravos, especialmente de origem iorubá. Na época, até mesmo leis foram criadas para controlar e punir os africanos, visando manter a ordem e diminuir a sensação de medo da sociedade escravagista.

 

Outro resultado do levante foi a conversão de muitos escravos para o catolicismo. Isso aconteceu porque desta forma eles conseguiam fugir às penas e punições das autoridades.

 

Apesar de muitos personagens terem tentado apagar essa história, a cultura Malês sobreviveu e passou as narrativas adiante por escrito em árabe. Com isso, foi possível conhecer um pouco mais da sociedade nagô e registrar as atrocidades pelas quais ela foi imposta.

 

Referências

  • FRY, Peter. Por que o Brasil é diferente?. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 31, p. 178-182, 1996.
  • REIS, João José. A revolta dos Malês em 1835. Universidade Federal da Bahia, 2008.

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.