CulturaPortugal

Rui Paixão, o jovem palhaço que conquistou o maior circo do mundo

O ano de 2015 foi certamente memorável para o jovem português Rui Paixão. Com apenas 20 anos, o jovem entrou no Cirque du Soleil, foi a revelação do Imaginarius – Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira e ganhou um prêmio de artista emergente em Sevilha, na Espanha.

(Imagem: Reprodução Facebook Rui Paixão)
(Imagem: Reprodução Facebook Cão à Chuva)

Ele, que com o seu projeto Cão à Chuva (em parceria com o instrumentista Carlos Reis) afirma não fazer espetáculos, mas jogos, sabe bem do que fala: a improvisação é a essência do clown.

 

– É a ideia do palhaço, de não existir bem nem mal, nada está certo e nada está errado. Existem possibilidades na vida, possibilidades criativas. O objetivo daquele jogo é precisamente criar um lugar vazio onde toda a gente pode errar, pode acertar. Toda a gente pode fazer o que quiser dentro de uma lógica e, de repente, entendemo-nos todos no nada – explicou em entrevista ao Público.

(Imagem: Reprodução Facebook Rui Paixão)
(Imagem: Reprodução Facebook Cão à Chuva)

O último ano foi decisivo para a carreira de Rui Paixão. Em maio, no Imaginarius – Festival Internacional de Teatro de Rua de Santa Maria da Feira, o seu espetáculo Lullaby convidou os espectadores a uma performance interativa que retratava um palhaço esquecido nas ruas de uma metrópole, e saiu do evento considerado como a revelação do festival. Em seguida, esteve no Circada – Festival de Circo de Sevilha (Espanha), onde ganhou o prêmio de artistas emergentes.

(Imagem: Reprodução Facebook Rui Paixão)
(Imagem: Reprodução Facebook Cão à Chuva)

Para encerrar 2015 em grande, o jovem conquistou um lugar na rede de artistas para novas produções do maior circo do mundo. A seleção para o Cirque du Soleil aconteceu em novembro, em Las Vegas (Estado Unidos). Com uma performance considerada única e criativa, Rui foi um dos cinco palhaços e atores escolhidos entre 70 candidatos de várias partes do mundo para participar das novas criações da companhia circense.

 

– Para mim, foi mais do que um casting, foi o meu primeiro workshop e formação em clown e, a dado momento, percebi que eles estavam a divertir-se tanto quanto eu.

(Imagem: Reprodução Facebook Rui Paixão)
(Imagem: Reprodução Facebook Cão à Chuva)

 

Leya

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.