BrasilEducaçãoSustentabilidade

Conheça o primeiro professor brasileiro a concorrer ao “Nobel” da educação

Márcio Andrade Batista é o primeiro brasileiro a concorrer ao Global Teacher Prize, considerado o “Nobel” da educação.

 

O comprometimento do professor em mudar e melhorar a educação brasileira e disseminar a importância da sustentabilidade ambiental garantiu uma vaga entre os 50 finalistas indicados, cujo vencedor ganhará um prêmio de US$ 1 milhão.

 

O Global Teacher Prize tem como objetivo valorizar a profissão do professor, reconhecendo práticas inovadoras e exemplares nas escolas e desta maneira, inspirando estudantes, comunidades e meio acadêmico.

 

O vencedor será anunciado no Global Education and Skills Forum 2016, que se realiza nos dias 12 e 13 de março, no Dubai.

 

Márcio Andrade Batista é professor na Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e também trabalha voluntariamente com alunos do ensino médio no interior do Estado. Ele começou a dar aulas de ciência e sustentabilidade em 2010, depois de perceber que escolas rurais de Mato Grosso tinham dificuldades em obter material de ensino e tecnológico. Uma de suas principais preocupações é que, em locais remotos do Brasil, os estudantes têm enorme dificuldade em obter acesso à pesquisa científica, principalmente meninas de famílias pobres.

 

A metodologia é baseada na aplicação das ciências à vida cotidiana e, além de promover a iniciação científica, o professor estimula o estudo e uso de produtos típicos do Cerrado em seus trabalhos com os jovens estudantes. Um de seus projetos, em que o soro de leite foi utilizado para enriquecer nutricionalmente a massa de pão, sua aluna acabou recebendo o Prêmio Jovem Cientista.

 

A sustentabilidade é outra questão de forte interesse para o professor.

 

– A razão do interesse é simples: temos que pensar hoje nas soluções dos problemas futuros. Água, energia, alimentos, tratamento de resíduos, ar. Criar massa crítica para pensar nestas questões é uma condição sui generis para manter o equilíbrio sustentável – explicou em entrevista ao portal Conexão Planeta.

 

Leya

Previous post

Estudantes Angolanos protestaram contra aumentos nas universidades

Next post

Angola vai duplicar a produção de diamantes nos próximos três anos

No Comment

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *