CulturaUncategorized

A Neo MPB

A MPB

O Brasil conheceu a MPB, a filha da Bossa Nova*, embarcando em uma nova revolução musical numa época em que ainda se recuperava da reviravolta sonora da década de 50.

O fato que representa simbolicamente o  exato  momento do rompimento da Bossa Nova e o posterior início do que se passou a chamar MPB, Música Popular Brasileira,  é a música “Arrastão”, composta por Vinícius de Morais e defendida por Elis Regina no festival de música brasileira da TV Record em 1965. Viu-se então que a bossa nova não estava mais presente nas composições de um dos seus maiores representantes. Vale destacar que neste mesmo festival foram lançados Milton Nascimento, Chico Buarque de Holanda e Caetano Veloso.

Nas décadas de 70 a 80, a MPB se modernizou. Apropriando-se de outros ritmos de outras regiões do Brasil e também do Reggae, do Rock e do Pop o movimento consagrou grandes artistas no meio musical do Brasil, como o movimento Tropicália, Maria Bethânia, Djavan, Jorge Ben Jor e Elba Ramalho. Na década de 90, quando a música country brasileira (sertanejo) falava mais alto, destacaram-se Legião Urbana, Cassia Eler, Adriana Calcanhotto, Marina Lima e Cazuza.

Descobrindo a NEO MPB

Ainda é cedo para afirmar, mas os brasileiros acreditam presenciar uma nova revolução musical. A MPB que começou incentivada pela Rádio e TV e que foi trocada pela música sertaneja e pela música pop americana, no início do século XXI, está reconquistando seu espaço.

O movimento que agora surge surge utiliza o meio de comunicação mais livre e democrático, a internet, que tem proporcionado o impulso para a difusão das novas ideias e produções artísticas e que se manifesta em pequenos shows em casas alternativas das grandes metrópoles brasileiras.

Os músicos da Neo MPB não tem apoio de grandes gravadoras e, mesmo assim, fazem tanto sucesso quanto os grandes nomes da música Brasileira que ainda produzem como Caetano e Gil. Entre os novos artistas destacam- se Criolo, Tulipa Ruiz, Cícero, Luísa Maita, Mariana Aydar, Emicida, Marcelo Jeneci, Marcelo Camelo, Mallu Magalhães e Céu.

Esses artistas não se destacam no cenário cultural do Brasil apenas por uma maneira alternativa e independente de produzir e divulgar seus trabalhos, mas por propiciar um resgate cultural das nossas raízes que foram esquecidas durante décadas. Céu e Criôlo trazem à tona influências africanas de batuque na percussão, assim como Marcelo Camelo e Cícero utilizam a voz e as cordas do violão de forma melancólica nos ligando imediatamente à sonoridade do fado português.

A música Brasileira está alcançando algo bastante importante: uma identidade musical onde é respeitado o passado, vivido o presente e projetado o futuro.

Vale a pena escutar e fazer parte dessa conexão!

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.