BrasilPolítica

Brasil: substituto de Cunha na presidência da Câmara anula votação do impeachment de Dilma

Leya

 

O presidente interino da Câmara de Deputados brasileira, deputado Waldir Maranhão, anulou hoje (9 de maio) as sessões do dias 15, 16 e 17 de abril, quando os deputados federais aprovaram a continuidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.

 

Segundo a Agência Brasil, o deputado acatou um pedido feito pela Advocacia-Geral da União (AGU). A informação é da presidência da Câmara.

 

O deputado do PP, que substituiu Eduardo Cunha na presidência da Câmara na semana passada depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu afastar o peemedebista do comando da casa legislativa, marcou uma nova votação do pedido impeachment para daqui a 5 sessões do plenário da Câmara, contadas a partir do momento em que o processo for devolvido para a Casa pelo Senado.

 

Na imprensa brasileira, já circulam questionamentos à decisão do presidente interino da Câmara de Deputados. Segundo o jornalista Renato Rovai, seria o próprio Eduardo Cunha a mente por trás da anulação. O objetivo de Cunha, segundo o colunista, é tentar retomar o controle do processo de impeachment. Os dois estiveram juntos na última sexta-feira (6 de maio), ocasião em que o assunto teria sido discutido.

 

opinião: Eduardo Cunha, o vaidoso

 

Em nota divulgada à imprensa, Maranhão diz que a petição da AGU ainda não havia sido analisada pela Casa e que, ao tomar conhecimento dela, resolveu acolher. Na decisão, ele argumenta “ocorreram vícios que tornaram nula de pleno direito a sessão em questão”.

(Imagem: Reprodução G1)
(Imagem: Reprodução G1)
(Imagem: Reprodução G1)
(Imagem: Reprodução G1)

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.