EconomiaPaísesPortugalSustentabilidade

Descubra como artesãos portugueses estão a costurar o futuro do vestuário sustentável

(Imagem: Reprodução newsschoolfreepass )

A obsolescência programada é certamente um dos males do século. A “mágica” criada pela indústria, para reduzir a vida útil de um bem a um prazo definido, muito mais curto do que o desgaste natural dos materiais que o compõem poderia impor, foi uma das grandes ferramentas da era industrial para aumentar os lucros e garantir a “procura” no longo prazo.

Além dos eletrodomésticos, veículos e eletrônicos, a indústria do vestuário também cedeu ao mesmo padrão. Movidas pelos lucros exorbitantes de roupas que duram umas poucas estações, marcas como Zara, Primark, Mango e H&M se tornaram templos do consumo.

Felizmente hoje ganha cada vez mais força um novo movimento de contracultura formado por pessoas com um nível maior de consciência, preocupadas não apenas em se vestir bem, mas também em saber a origem do que vestem e os processos de fabrico por trás das suas peças.

Na indústria têxtil esse movimento ganhou o nome de slow design, ou slow fashion (movimento criado por Fuad-Luke – 2010, voltado para o bem das pessoas e do ambiente, com foco primeiramente nos benefícios locais antes dos lucros).

As marcas:

Não apenas grandes marcas como a Patagonia conseguem posicionar-se dessa forma no mercado. Hoje proliferam em ritmo crescente startups que já nascem com um posicionamento slow fashion como modelo de negócio. A Tom Cridland é um exemplo disso: confirmando o interesse do mercado, em apenas 41 dias a marca arrecadou quase 80 mil dólares através do site de financiamento coletivo Kickstarter, vendendo um único produto. Sweaters com garantia de 30 anos, “The 30 Year Sweatshirt“.

 

 

Captura de Tela 2015-08-10 às 17.06.54

Captura de Tela 2015-08-10 às 17.06.09

(Imagem: Reprodução )

A ideia de oferecer uma roupa que você provavelmente passará em perfeito estado ao seu filho, se baseia em materiais de qualidade, compromisso com a durabilidade e mão de obra superior.

 

Os artesãos portugueses: 

A materialização dessas conquistas e mudanças de paradigma na área têxtil e de vestuário na Europa é em grande parte feita por artesãos portugueses. Um estudo da Euro Clus Tex demonstra que principalmente o norte do país, nomeadamente as regiões do Grande Porto, Vale do Ave, Cávado e Tâmega são regiões responsáveis por grande parte desse tipo de produção. Dotados de uma tradição secular nesse ramo, utilizam algodão de alta qualidade tratados com silício, e processos naturais para tratar o fio de forma a criar peças com extrema resistência, que não encolhem e mantêm seu aspecto geral por muito mais tempo.

Cada vez mais marcas internacionais que buscam excelência em vestuário e calçados encontram nos artesãos portugueses a mão de obra perfeita para executar seus projetos.

Slow fashion faz sentido para você? Conheça aqui algumas marcas que o praticam:

RPMWEST – Jeans com 25 anos de garantia.

Captura de Tela 2015-08-11 às 16.43.52

American Giant – Moletons, calças e t-shirts feitos para durar muito.

Captura de Tela 2015-08-11 às 16.43.04

Patagonia – Marca de renome internacional. Produz roupas para aventura, social e ecologicamente responsáveis, com consertos gratuitos garantidos por anos.

Captura de Tela 2015-08-11 às 16.45.34

Insecta shoes – Marca brasileira de calçados veganos e sustentáveis, com alta durabilidade e um estilo único.

Captura de Tela 2015-08-11 às 16.41.59

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.