Opinião

Linguagem em tempos de incerteza

Decidi passar para o papel, uma pergunta com que me entretenho há já algum tempo, no momento em que a incerteza é a única certeza da vida política portuguesa.

 

A pergunta coloca-se nos seguintes termos: qual o tipo de linguagem que predomina, nas reuniões à porta fechada, que ocorreram em Portugal desde 4 de Outubro?

 

Tendo em conta a personalidade que atribuímos a algumas personalidades políticas; tendo em conta o facto de que se conhecem dos trabalhos parlamentares, dos corredores do poder e não só, como serão as conversas entre eles?

 

Imagina o leitor a linguagem usada entre Cavaco Silva e Pedro Passos Coelho na audiência de dia 6 de Outubro?

 

Haverá lugar para um:

 

– E essas eleições, Pedro?

 

Ou, tendo em conta o formalismo omnipresente de Cavaco, digo eu, poderíamos ouvir um:

 

– Quem diria, Dr. Pedro Passos Coelho…quem diria?

 

Voltando-me para a Esquerda, concebe a leitora, na sua mente, como seria o início de conversa entre Jerónimo de Sousa e Catarina Martins?

 

Seria algo como:

 

– Jerónimo, bons olhos o vejam! –  atira uma Catarina confiante, quebrando o gelo do diálogo à esquerda.

 

O melhor será não abusar, não abrir em demasia os olhos e o sorriso de palco, ou Jerónimo poderá detectar alguma fina ironia inflamada pela ultrapassagem da CDU pelo Bloco… jogará, assim, Catarina pelo seguro e teremos um:

 

– Hã ? E ontem? Aquilo é que foi, a trepa que demos à Direita!

 

Como responderá Jerónimo? Homem atento, com experiência, baixará ele a guarda marxista? Eu acho que não, apesar de o achar um “bacano” e, arrisco:

 

– Pois… mas é importante, portanto, vermos como fica arrumada a mobília no Rato…

 

Quando nestas linhas entra António Costa, imagino a visita a Jerónimo de Sousa na Soeiro Pereira Gomes.

Mais: sabendo da “balcanização” da Esquerda (pelo menos até ao passado dia 4 de Outubro) as palavras, depois das formalidades da chegada, soarão a “processo de paz na malograda Jugoslávia?”

Haverá lugar a “Camarada”? Como aborda António Costa o resultado das eleições, o Tratado Orçamental, a NATO ao seu anfitrião?

 

– Então, Secretário-Geral Jerónimo de Sousa, parece que o “Muro” à Esquerda caiu mesmo – dirá um eleitoralmente (algo) apertado António Costa.

 

– Vamos lá ver, vamos lá ver…não fomos nós que o construímos – reage Jerónimo, cauteloso com as entrelinhas e a “não-poucochinha” derrota socialista.

 

Mas agora o tempo é de união à Esquerda e o que lá vai, lá vai.

 

E enquanto estes diálogos decorrem nestes lugares de política, a vista alcança o quotidiano de Portugal?

Chegará ainda àqueles que, em Angola, tão próxima, lutam com a fome e a morte, pelos mais fundamentais direitos? Àqueles que fazem do seu sacrifício pessoal, um exemplo para todos? Os que emprestam decidida e decisivamente a sua Voz, para que as lutas fundamentais dos povos, não se percam em conversas bem menos soltas e bem mais polidas que ocorrem nos corredores do poder.

 

Imagine a leitora, concebe o leitor destas linhas, a conversa entre o Professor e Presidente Cavaco Silva e os Doutores Passos, Portas, Machete sobre o que se passa em Angola?

 

Ou a vista da sala não vai além do Tejo e as paredes abafam o som da solidariedade?

 

Imagina?

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.