AngolaPaísesPolíticaPortugalSociedade

Na véspera das vigílias a Assembleia Municipal de Lisboa aprovou um voto de solidariedade pelos presos políticos angolanos

Numa votação que decorreu ontem na Assembleia Municipal de Lisboa (AML), foi discutida e aprovada uma moção de solidariedade para com Luaty Beirão, o ativista angolano detido em Luanda desde 20 de junho e que está em risco de vida por se encontrar a realizar uma greve de fome há vários dias, e os restantes presos políticos angolanos.

A proposta foi apresentada pela bancada do Bloco de Esquerda (BE) e foi aprovada por maioria, com os votos favoráveis de todas as outras bancadas, com exceção do Partido Comunista Português que votou contra, e do Partido Ecologista os Verdes que se abstiveram.

Na resolução, que será enviada para todos os órgãos de soberania portugueses e para a embaixada angolana, para além de se demonstrar solidariedade para com Luaty Beirão e os restantes presos políticos, recomenda-se a imediata libertação de todos.

(Imagem: Reprodução Esquerda.net)
(Imagem: Reprodução Esquerda.net)

Recorde-se que hoje vai acontecer em Lisboa, no Rossio (Praça D. Pedro IV), pelas 18:30, uma vigília de solidariedade e apoio aos presos políticos de Angola, convocada pela LAPA (Liberdade aos Ativistas Presos em Angola), pela SOLIM (Solidariedade Imigrante, associação de defesa dos imigrantes), pela Amnistia Internacional e pelo SOS Racismo.

A vigília contará com a presença do jornalista, escritor e ativista dos direitos humanos, Rafael Marques.

Durante a vigília será publicitada a petição da Amnistia Internacional que visa libertação imediata dos presos políticos detidos nos dias 20 e 24 de junho, que pode assinar AQUI.

Está agendada para amanhã (dia 15/10) no Porto uma vigília idêntica, também às 18:30 em frente ao Consulado de Angola, na Rua Dr. Carlos Brandão (Av. Boavista).

Clique AQUI para mais detalhes sobre ambas as vigílias.

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.