CulturaPortugalSociedade

Tapeçarias de Portalegre candidatas a Patrimônio da Humanidade

As Tapeçarias de Portalegre vão ser candidatadas, em 2017, a Patrimônio Mundial, pela UNESCO, revelou à agência Lusa a presidente do município, justificando que se trata de uma arte reconhecida em todo o mundo.

(Imagem: Reprodução Manufactura e Tapeçarias de Portalegre)
(Imagem: Reprodução Manufactura e Tapeçarias de Portalegre)

A candidatura vai ser elaborada pela Câmara Municipal de Portalegre, Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo e pela Manufactura de Tapeçarias de Portalegre.

– Já iniciamos o processo, pois queremos ter o dossier da candidatura concluído dentro de um ano para o apresentarmos, em 2017, à UNESCO – explicou Adelaide Teixeira.

"Vitral", de Joana Vasconcelos, em exibição em Versalhes (Imagem: Reprodução Manufactura e Tapeçarias de Portalegre)
“Vitral”, Joana Vasconcelos, em exibição em Versalhes (Imagem: Reprodução Manufactura e Tapeçarias de Portalegre)

A Manufatura de Tapeçarias de Portalegre é um dos últimos centros de produção artística contemporânea de tapeçaria mural do mundo. Nos últimos 60 anos, trabalhou com mais de 200 artistas portugueses e estrangeiros, como Almada Negreiros, Vieira da Silva, Júlio Pomar, Burle Marx, Lourdes Castro, Álvaro Siza, Rigo, Le Corbusier, Carlos Botelho, Munari, Cruzeiro Seixas e Joana Vasconcelos.

(Imagem: Reprodução Manufactura e Tapeçarias de Portalegre)
“Lunatics”, Rigo 23 (Imagem: Reprodução Manufactura e Tapeçarias de Portalegre)


Uma obra de arte tecida com obras de arte

Fundada em 1946, por Guy Fino e Celestino Peixeiro, a Manufactura de Portalegre representou um ponto de virada na história da tapeçaria mural. Adotou uma nova técnica de tecelagem, conhecida como o ponto de Portalegre e associou a sua produção a grandes nomes da arte contemporânea portuguesa e internacional.

Ao longo de sete décadas têm trabalhado com a Manufactura de Portalegre mais de 200 artistas portugueses e estrangeiros, tendo sido criadas cerca de 3300 tapeçarias até hoje.

"Descobridores II", José de Guimarães (Imagem: Reprodução Manufactura e Tapeçarias de Portalegre)
“Descobridores II”, José de Guimarães (Imagem: Reprodução Manufactura e Tapeçarias de Portalegre)

As Tapeçarias de Portalegre estão em coleções privadas e em espaços públicos. Na sala de leitura da Biblioteca Nacional de Portugal, em Lisboa, na Fundação Calouste Gulbenkian, na Austrália (Catedral de Melbourne e Supremo Tribunal de New South Wales), na Suíça (União dos Bancos Suíços), no Luxemburgo (Tribunal Europeu), no Brasil (Palácio da Alvorada), em Bruxelas (Tribunal das Comunidades).

Tapeçaria mural decorativa, a tapeçaria de Portalegre é uma obra de arte original, única pelas suas qualidades intrínsecas e pela técnica usada para traduzir o cartão do pintor. Utilizando uma técnica totalmente manual, tem como ponto de partida um original de pintores conhecidos, portugueses ou estrangeiros. Este é ampliado para a dimensão final sobre um papel quadriculado próprio, em que cada quadrícula representa um ponto (desenho de tecelagem)“, explica o portal da Manufactura de Tapeçarias de Portalegre.

(Imagem: Reprodução Manufactura e Tapeçarias de Portalegre)
“Partida de Emigrantes”, Almada Negreiros (Imagem: Reprodução Manufactura e Tapeçarias de Portalegre)

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.