CulturaMoçambique

Mural de Malangatana declarado património nacional moçambicano

Leya

 

Cinco anos após a morte do artista moçambicano Malangatana Valente Ngwenya, o seu mural de título”Vovó Chipangara está zangada” patente na cidade da Beira foi declarado património nacional de Moçambique pelo consulado português, que em parceria com o Governo moçambicano assumiu o restauro da obra.

 

No ano em que Malangatana Valente Ngwenha completaria 80 anos, o consulado português, em parceria com o Ministério da Cultura e Turismo de Moçambique trouxe um novo visual ao mural que se encontrava em estado de degradação. O restaurador português Fernando Mariano e o moçambicano Jonas Tembe, do Museu Nacional de Arte de Maputo foram os responsáveis pela renovação da obra.

 

Em entrevista à agência Lusa, o cônsul na Beira António Inocêncio Pereira afirmou que esta acção “permitirá resgatar do esquecimento e destruição esta obra do maior pintor moçambicano”.

 

O restauro, avaliado em mais de 500 mil meticais (sete mil euros), será financiado por algumas empresas portuguesas na Beira.

 

O mural “Vovó Chipangara está zangada'” foi criado pelo artista em 1970 durante o período colonial, na antiga galeria e auditório da Beira, actual casa da Cultura da província de Sofala.

 

O mural retrata ideais anti-coloniais de Malangatana, na Beira num dos seus principais bairros, Chipangara (também conhecido como Espangara) cujas difíceis condições de vida inspiraram Malangatana.

 

Malangatana, “O Pincel que se calou” há cinco anos

Sem comentários

Deixe-nos a sua opinião

O seu endereço de email não será publicado.

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.